Você tem medo de baratas? E de baratas gigantes?

Insetos de até dez centímetros podem assustar qualquer pessoa, mas são inofensivas aos humanos.
Por Renan Hamann em 09/03/2013
Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons Você tem medo de baratas? E de baratas gigantes?

Há muitas pessoas que acham que as baratas são nojentas ou amedrontadoras, mas também existe uma grande quantidade que não liga para o pequeno inseto e suas anteninhas. Só que quando encontramos uma barata gigante de até 10 centímetros, fica difícil passar por elas sem esboçar alguma reação. Até mesmo os mais corajosos dos super-heróis devem pensar duas vezes antes de juntá-la para levar até o quintal mais próximo.

Você pode estar achando que estamos malucos e inventando um novo animal, mas a verdade é que ele é real — e já existe na Terra há milhões de anos. O nome científico das baratas gigantes é Blaberus giganteus e os insetos podem ser encontrados nas Américas Central e do Sul, preferencialmente nas florestas tropicais — com pouca luz e muita umidade.

Apesar de ser muito mais encontrada na América Central, o Zoológico de Toronto exibe algumas baratas gigantes como "Baratas Brasileiras Gigantes". A alimentação delas é baseada em fezes de morcego, vegetação em decomposição, frutas, madeira podre, insetos mortos e alguns outros animais. Mas não precisa se preocupar com elas, pois a carne humana não faz parte do cardápio.

De onde vem o nome “Barata”?

Uma curiosidade interessante está no nome das baratas. Em português, utilizamos este nome, pois ele é baseado no latim “Blatta”. Isso possui origem na Grécia, onde “Blapto” significa besouro — apesar de serem animais diferentes. Já nos Estados Unidos, as baratas são chamadas de “Cockroaches”, em uma alusão às “Cucarachas” (espanhol). Apesar de essa origem ser comprovada, há algumas pessoas que afirmam que a palavra “Cockroach” é uma cruel alusão ao som de uma barata sendo esmagada.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!

Comentários (0)