Aves-do-paraíso: conheça algumas das criaturas mais exóticas do planeta

Saiba mais sobre a família de aves que impressiona por seus cantos, suas cores e seu comportamento excepcional
Por em
Fonte da imagem: Reprodução/Tim Laman Aves-do-paraíso: conheça algumas das criaturas mais exóticas do planeta

Se o pavão está na lista das aves mais bonitas que você já viu, prepare-se para se surpreender. As aves-do-paraíso certamente vão muito além de tudo o que você já viu. Nativos das montanhas e vales da Papua-Nova Guiné, do leste da Austrália e de pequenas ilhas na região, esses pássaros são um verdadeiro espetáculo da natureza.

Por se concentrarem em um lugar tão remoto e de difícil acesso, os registros e estudos acerca desses animais são escassos. A maior parte do material disponível foi produzido graças ao trabalho de Edwin Scholes, do Cornell Lab of Ornithology, e de Tim Laman, biólogo e fotógrafo do National Geographic. Juntos, esses pesquisadores dedicaram 8 anos para realizar 18 expedições à região e capturar vídeos e imagens dessas aves como nunca havia sido feito anteriormente.

Como resultado desse trabalho, os especialistas revelaram mais sobre as cores, as formas, os hábitos e o comportamento de cada uma dessas espécies surpreendentes que só podem ser encontradas nessa parte do planeta.

Uma família, muitas espécies

As exóticas aves-do-paraíso são bastante diferentes entre si, mas como se acredita que tenham originado de um ancestral comum, a família recebeu o nome de Paradisaeidae. Ao todo, ela é formada por 39 espécies que se dividem em 15 gêneros.

Em geral, esses pássaros extraordinários vivem em meio a florestas em grandes altitudes, onde encontram comida abundante e não são ameaçados por muitos predadores. As aves-do-paraíso se alimentam basicamente de frutas e pequenos insetos.

Estima-se que os primeiros representantes da família Paradisaeidae – que se assemelha da família dos corvos (Corvidae) – surgiram cerca de 24 milhões de anos atrás. Cada uma das espécies apresenta características únicas e seu tamanho pode variar de 20 a 120 centímetros.

Uma das questões que mais intriga os pesquisadores é quais foram os fatores que permitiram que animais tão complexos pudessem se desenvolver em uma área tão pequena e remota do mundo. Dessa maneira, as aves-do-paraíso representam um evento singular na evolução.

Beleza excepcional

Entre todos os fatores que foram mudando ao longo dos anos para resultar nesses pássaros incríveis, o que mais chama a atenção é a sua plumagem. Aqui vale notar que um dos traços mais marcantes das aves-do-paraíso é o dimorfismo sexual acentuado, ou seja, os machos e fêmeas apresentam características visuais drasticamente diferentes.

Essa é a explicação para que os machos tenham uma plumagem tão exuberante na maioria das espécies, enquanto as fêmeas tendem a apresentar penas em tons de cinza e marrom sem qualquer fator extraordinário. Ao observamos atentamente os animais, vemos que os machos carregam caudas longas, penas em tons contrastantes, cores vivas e iridescentes e mais alguns ornamentos ao redor do corpo.

Junto com as cores fortes, que são encontradas no corpo, na cabeça e até mesmo no interior da boca, é comum a presença de penas pretas, que têm como principal função contrastar e valorizar a beleza das cores desses animais. A combinação e a variedade de tons encontrados entre as aves-do-paraíso são um fenômeno incrível que só foi observado entre essas espécies.

Infelizmente, tanta beleza também é cobiçada por humanos, que representam a principal ameaça a esses animais. Atualmente, a comercialização e a importação das plumas das aves-do-paraíso são proibidas, mas elas já foram muito usadas como adornos e apreciadas por colecionadores.

Rituais de acasalamento

Sabemos que a natureza é sábia, por isso toda essa beleza tem uma explicação. Os pesquisadores notaram que estruturas como penas alongadas, plumas e outros ornamentos têm uma finalidade puramente estética e não auxiliam no voo ou ajudam a manter a temperatura do corpo do animal.

Sendo assim, eles compreenderam que as características únicas que os machos das aves-do-paraíso carregam tem um único objetivo: o acasalamento. Os especialistas que acompanharam de perto o comportamento desses pássaros notaram que a atenção das fêmeas se volta para machos grandes, coloridos e com formas variadas.

Isso explica porque os pássaros são tão coloridos e também nos permite entender um pouco do fenômeno surpreendente que é o ritual de acasalamento desses animais. Ao assistir aos vídeos anteriores você deve ter notado que os machos das aves-do-paraíso têm a capacidade de arranjar suas penas de maneira extraordinária, mudando de forma e se transformando em algo muito diferente de um pássaro.

Como se isso não fosse o bastante para atrair as fêmeas, os machos de algumas espécies ainda fazem danças elaboradas, produzem sons únicos e se exibem de maneira a hipnotizar sua possível parceira de um jeito impressionante.

Abaixo você confere uma série de imagens que revela mais um pouco da beleza das aves-do-paraíso:

Paradisaea apoda.Fonte da imagem: Reprodução/Tim Laman

Astrapia stephaniae.Fonte da imagem: Reprodução/Tim LamanCicinnurus regius.Fonte da imagem: Reprodução/Tim LamanAstrapia mayeri.Fonte da imagem: Reprodução/Tim LamanCicinnurus respublica.Fonte da imagem: Reprodução/Tim LamanParotia sefilata.Fonte da imagem: Reprodução/Tim LamanPtiloris paradiseus.Fonte da imagem: Reprodução/Tim LamanSemioptera wallacei.Fonte da imagem: Reprodução/Tim Laman

Curiosidades

  • A constelação Apus, localizada no hemisfério celestial sul, representa uma ave-do-paraíso;
  • A bandeira da Papua-Nova Guiné traz o desenho de um exemplar de ave-do-paraíso com plumagem exuberante;
  • Na Indonésia, uma das áreas de comando militar do exército recebeu o nome deCenderawasih, que é como se fala “ave-do-paraíso” no idioma local;
  • As plumas de uma ave-do-paraíso enfeitavam a coroa real usada por  Gyanendra Bir Bikram Shah Dev, o último rei do Nepal.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!

Comentários (0)