Sabe a imagem acima? Ela parece assustadora para você? Pois deveria... Ela não mostra o cenário de um filme, nem foi criada digitalmente. Trata-se de uma foto aérea da plataforma de gelo Larsen C, na Antártida, clicada por cientistas da NASA no final do ano passado. Mais precisamente, o registro mostra uma fenda imensa, com cerca de 112 quilômetros de comprimento, mais de 90 metros de largura e por volta de 500 metros de profundidade.

Sabe o que é pior? Desde que a imagem foi registrada em meados de novembro de 2016, o comprimento da fenda aumentou em impressionantes 18 quilômetros. E, de acordo com Matt McGrath, da BBC, agora faltam cerca de 20 quilômetros para que a plataforma de gelo inteira — que possui uma área de 5 mil km2 e é um pouco menor do que o Distrito Federal (com seus 5,78 mil km2) — se desprenda totalmente e se transforme em um baita iceberg.

Más notícias

Segundo Matt, os cientistas esperam que o rompimento da plataforma de gelo seja concluído dentro de poucos meses e, quando isso acontecer, o bloco de gelo que terá se desprendido no processo estará entre os 10 maiores já registrados na História. Achou esse papo de supericeberg interessante? Então, pode parecer incrível e tal, mas não é. Na verdade, se trata de algo muito, muito preocupante.

Rachadura imensa clicada por cientistas da NASA no final de 2016

Conforme explicou Matt, a plataforma Larsen C conta com aproximadamente 350 metros de espessura e se encontra flutuando na região noroeste do Mar de Weddell — que fica no litoral leste da península Antártica. Quando esse pedação dela se desprender, a plataforma perderá cerca de 10% de sua área, e os cientistas temem que ela possa se tornar instável e entrar em colapso dentro de mais ou menos uma década.

Progresso da fenda desde 2010

O problema é que a plataforma Larsen C funciona como uma espécie de obstáculo que ajuda a segurar o fluxo dos glaciares da região. Se ela entrar em colapso mesmo — o que, de momento, é apenas uma possibilidade —, a barreira que impede esse fluxo de gelo de chegar ao oceano acabará desaparecendo e, como resultado, os níveis das águas dos mares poderão aumentar em cerca de 10 centímetros em todo o mundo.

Pode ser que meros 10 centímetros não pareçam grande coisa. No entanto, se pensarmos que nos últimos 20 anos o nível dos mares aumentaram em mais de seis centímetros e que outros processos também estão contribuindo para a elevação das águas, o aporte oferecido pelo possível colapso da plataforma será bastante significativo.

Culpa de quem?

De acordo com Robin Andrews, do portal IFLScience, apesar de muitos cientistas acreditarem que o rápido aumento das temperaturas na região possa ter acelerado o avanço da fenda na plataforma de gelo Larsen C, não existem evidências diretas que comprovem suas suspeitas. Por outro lado, existem diversas provas que associam a redução do gelo em outras áreas da Antártida com o aumento da temperatura atmosférica e dos mares.

Plataforma de gelo Larsen B, que passou por um processo semelhante em 2002

Vale destacar que a Larsen C é vizinha da Larsen B — que entrou parcialmente em colapso em 2002, depois de essa plataforma passar por um processo semelhante — e da Larsen A, que era a menor das três e se desintegrou em 1995. Além disso, também vale destacar que as previsões sobre o que realmente vai acontecer na região não passa de uma... previsão até agora, mas se os modelos estiverem corretos, o colapso teria um considerável impacto no nível dos mares.