Uma das mais duras maneiras de viver é buscando a perfeição. Perfeccionistas são as pessoas que mais se decepcionam, afinal é simplesmente impossível ser perfeito. Em sua coluna no Psychology Today, Elizabeth Lombardo falou sobre o tema.

“Gosto de pensar em perfeccionismo como um bolo de chocolate. Isso pode soar estranho, mas acompanhe meu raciocínio. Imagine-se fazendo um bolo com os melhores ingredientes. Você tem o chocolate gourmet suíço, ovos orgânicos e uma manteiga feita do leite de vacas que são massageadas diariamente e ouvem música clássica. Imagine-se pegando todos esses ingredientes deliciosos, misturando-os em uma tigela e então jogando um copo de sujeira à mistura. Uma vez que o bolo esteja assado, quais são as chances de que você vá comê-lo? Não muitas, suponho”.

A partir dessa imagem do bolo feito com ingredientes nobres e sujeira, Lombardo explica que o perfeccionismo tem muitos ingredientes nobres, mas que alguns ingredientes fazem dele indesejável, como é o caso dos itens a seguir:

1 – Autoestima condicional

O perfeccionista tende a basear seu valor pessoal em determinadas condições, especialmente nos resultados que recebe, sempre se enxergando digno apenas da última avaliação recebida, o que o faz excluir méritos mais antigos. Aos poucos, o perfeccionista percebe que seus objetivos de avaliação são inalcançáveis e ele acaba se tornando uma pessoa de autoestima baixa, que duvida de seu próprio potencial, que nunca está satisfeita com o que tem e que valoriza pouco aquilo que conquista.

2 – Oito ou oitenta

Para quem é perfeccionista, as coisas são tudo ou nada, sem a possibilidade de meio-termo. Ou algo é um sucesso ou é um total fracasso. Por isso, quando um objetivo não é alcançado de primeira, o perfeccionista tende a se ver como um grande fracassado e, consequentemente, acaba não tentando outra vez.

3 – Medo extremo do fracasso

Como dito no item anterior, o perfeccionista não lida muito bem com aquilo que não dá certo, justamente porque, para ele, só o que é perfeito é realmente bom. Esse medo frequente de que algo dê errado faz com que a pessoa não aprenda com os erros nem seja capaz de traçar novos meios de alcançar aquilo que deseja.

4 – A procrastinação

Pelo medo do fracasso, perfeccionistas tendem a deixar as coisas para depois, justamente porque sabem que só aceitarão um resultado se o considerarem perfeito, sem nada para ser ajustado.

5 – O estresse

Perfeccionistas sabem bem o que é viver estressado e, no caso deles, o estresse pode prejudicar diversos aspectos da vida: saúde psicológica, já que tendem a sofrer de ansiedade e depressão; saúde física, uma vez que o estresse prejudica o sistema imunológico e nos faz ser impulsivos em vários aspectos; relacionamentos, pois, por causa dos padrões irreais, nada estará bom.

O estresse atrapalha ainda a relação da pessoa com o seu trabalho, porque ela nunca termina projetos e tem dificuldades de trabalhar em equipe – sem contar quando resolve trabalhar por horas a fio para “mostrar serviço”. A diversão, que costuma ficar em segundo plano, também acaba sendo prejudicada, assim como a espiritualidade do perfeccionista, que tende a se preocupar excessivamente com esse aspecto quando tem algum tipo de fé.

***

Se essas características combinam com o seu tipo de comportamento social, talvez esteja na hora de repensar seus valores e tentar mudar um pouco, para que sua vida seja mais leve. Se a mudança parecer impossível ou difícil e dolorosa demais, não pense duas vezes e procure um bom aconselhamento psicológico. Estar bem consigo mesmo é o que mais vale.