Ampliar (Fonte da imagem: Reprodução/Nintendo Life)

Como acontece todos os anos, a internet está em polvorosa nesta metade de novembro. O motivo não poderia ser outro que não a Black Friday, a sexta-feira após o Dia de Ação de Graças norte-americano em que dezenas de lojas fazem grandes promoções e vendem produtos muito desejados a preços irresistíveis.

É claro que, com o crescimento do comércio digital, a data tipicamente norte-americana ganhou força também em outros países. Isso fez com que até mesmo empresas brasileiras entrassem na onda das superofertas — e, consequentemente, atraiu consumidores que até então não conheciam o “feriado”.

Porém, você sabe a origem da data? Tudo bem que é muito legal comprar aquele eletrônico ou filme que você tanto queria pela metade do preço, mas não faz mal para ninguém saber como essa tradição nasceu e por que ela é tão popular. Então, que tal uma pequena aula de História?

Passado confuso

A história por trás da origem da Black Friday é um tanto quanto nebulosa, uma vez que não há um marco exato para a criação da data. Para se ter uma ideia, há quem diga que a expressão “Sexta-feira Negra” nasceu no final do século XIX após duas instituições financeiras terem quebrado no mesmo dia em plena corrida do ouro. Coincidentemente, em uma sexta-feira.

AmpliarBlack Friday: dia de tumulto desde 1960 (Fonte da imagem: Reprodução/BlackFriday.com.br)

No entanto, isso nada tem a ver com as promoções que todos adoram. De acordo com o linguista Ben Zimmer, a teoria mais aceita sobre o surgimento da Black Friday acredita que o termo foi criado por policiais da Filadélfia na década de 60 para se referir ao dia após o feriado do Dia de Ação de Graças em que o trânsito se tornava um caos.

Segundo ele, o fluxo de veículos por conta da folga prolongada e das partidas de futebol realizadas sempre nessa época aumentava consideravelmente. E ao mesmo tempo em que isso era uma dor de cabeça para os agentes da lei, era o sonho dos lojistas, que faziam diversas promoções para atrair quem passasse por lá.

Zimmer explica que a referência ao trânsito logo se expandiu e se tornou uma expressão local às ofertas, se transformando em uma grande tradição. No entanto, o linguista afirma que ainda não está claro como isso se espalhou para outros pontos dos Estados Unidos, embora não seja difícil imaginar que a vontade de pagar menos por alguns produtos tenha auxiliado nessa tarefa.

Polêmica com o nome

Com a popularização do feriado, não tardou para que as primeiras investidas de marketing logo surgissem. O curioso é que, tão logo o consumidor aderiu à Black Friday, algumas tentativas de alterar o nome começaram a aparecer.

Ampliar (Fonte da imagem: Reprodução/Show Me Tech)

A mais marcante delas, como conta Zimmer, foi a proposta de abandonar esse termo — que muitos consideravam pouco convidativo para o comércio — para adotar algo como Big Friday. Como você já deve ter percebido, a sugestão não foi bem aceita e ficou por isso mesmo.

Outras origens

Como dito, essa não é a única suposta origem do Black Friday. Outras histórias sobre o nascimento da data comercial circulam há anos, todas elas muito convincentes. É o caso da expressão usada por donos de fábricas na década de 50 para se referir à sexta-feira após o Dia de Ação de Graças em que nenhum funcionário aparecia para trabalhar.

Outros mitos são um pouco mais fantasiosos. Um deles, por exemplo, afirma que a “sexta-feira negra” se refere ao fato de que os trabalhadores precisam se dedicar o dobro em seus empregos para dar conta da alta demanda nas lojas.