(Fonte da imagem: Thinkstock)

Se você pensa que os valores dos automóveis vendidos no Brasil são justos, basta dar uma olhadinha em quanto esses mesmos veículos custam no exterior. Você vai descobrir que não, os valores não são nada justos, e que alguns carros chegam a custar quase cinco vezes mais por aqui!

Na verdade, a principal causa disso é a nossa carga tributária. Enquanto em outros países os consumidores pagam um único imposto na hora da compra, por aqui, além de pagarmos essa mesma taxa, temos que bancar vários outras, em uma sucessão de valores que nos obrigam, inclusive, a pagar impostos dos impostos — não, você não leu errado, afinal, o que você acha que é o IPVA?

Impostos e muita ganância

(Fonte da imagem: Thinkstock)

A carga tributária aqui no Brasil chega a representar até 36,4% do valor do carro (somando IPI, ICMS, PIS e Cofins). Entretanto, os impostos não são os únicos vilões. Existe também a margem de lucro das montadoras que, aqui no nosso país, corresponde a algo em torno dos 9% a 11% do valor do veículo, enquanto no exterior essa margem é de cerca de 3%.

Assim, como explicar que um Renault Logan 1.6 8 V, por exemplo, custe R$ 37.550,00 aqui no Brasil, mas seja vendido ali na Argentina por R$ 25.500,00, incluído o frete? Sem os impostos, o mesmo carro custaria R$ 26.585,00 por aqui e R$ 20.017,00 para os nossos hermanos. Definitivamente, existe algo de errado nessa conta, você não acha?

Mais custos

(Fonte da imagem: Thinkstock)

Além de pagarmos todos esses impostos descritos acima (referentes aos custos de aquisição), não podemos ignorar os custos de propriedade também. Assim, se você adquiriu um carro zero, além do valor da compra — e todas aquelas taxas —, você ainda tem que adicionar à soma as despesas de registro junto ao Detran, o IPVA, o DPVAT, licenciamento, seguro, consumo de combustível, revisões, peças, multas e... não se esquecer da desvalorização!

Embora o mercado brasileiro esteja superaquecido — ao contrário do que acontece lá fora no momento —, desconfie de tantas facilidades de crédito e incentivos. E, antes de comprar um carro, reflita muito e se pergunte se você realmente precisa de um.

Fontes: Roubalheira Brasil, Quatro Rodas, Dinheirama e Forbes