Você já parou para pensar que muitas pessoas no mundo vivem com um medo constante de que o vulcão mais próximo resolva entrar em erupção? Aqui no Brasil isso não é uma realidade, felizmente, mas só a ideia de imaginar que uma montanha perto da sua casa possa expelir fogo já é bastante aterrorizante. Foi por presenciar um fenômeno causado pela erupção de um vulcão que o pintor Edvard Munch fez sua obra prima, “O Grito”, inclusive.

A verdade é que muitos dos vulcões do planeta estão em regiões hoje submersas. Vulcões em terra ocorrem em zonas de subducção, que são os espaços de convergência de placas tectônicas; mas também podem ser encontradas em regiões de pluma mantélica, que é quando um grande volume de magma sai das profundezas do planeta e acaba se aproximando da superfície terrestre. Confira alguns vulcões que poderiam ser especificamente mortais:

1 – Monte Fuji, Japão

O ponto mais alto do país é, na verdade, uma montanha vulcânica que atrai milhares de turistas todos os anos. Há até os mais aventureiros que arriscam escalar por aquelas bandas. A última vez que o Monte Fuji teve uma erupção foi em 1607, mas ele ainda é considerado um vulcão ativo.

O terremoto Tohuku-Oki, que atingiu o país em 2011, pode ter acelerado o processo de erupção do vulcão do Monte Fuji. O governo japonês já tem até mesmo um plano de evacuação preparado, caso seja necessário. De acordo com o plano, pelo menos 1,2 milhões de pessoas podem precisar ser removidas de suas casas e milhões podem enfrentar problemas de saúde devido às cinzas do vulcão, caso haja nova erupção.

2 – Monte Vesúvio, Itália

Responsável pela destruição de Pompéia em 79, o vulcão italiano já teve mais de 30 erupções desde então, sendo que a mais recente foi em 1944, quando muitos vilarejos foram destruídos.

O mais preocupante é que a cidade de Nápoles não só fica muito perto do Monte Vesúvio como é também a residência de mais de 1 milhão de pessoas – sem falar nas outras 3 milhões espalhadas nas áreas ao redor da cidade. Um estudo publicado em 2006 concluiu que Nápoles pode ser completamente destruída caso o vulcão tenha uma erupção de grande escala.

3 – Monte Rainier, EUA

A montanha em Seattle, Washington, pode estar coberta de neve, mas não é por isso que não representa perigo. A última erupção do Monte Rainier foi em 1894, mas um estudo publicado em julho deste ano nos lembra que o vulcão ainda está ativo.

O problema do Rainier é que ele é capaz de ter erupções de vapor e lama, uma gosma resultante da mistura dos detritos vulcânicos com o gelo derretido da neve que o cobre. Uma erupção há 5600 anos cobriu toda a região que hoje corresponde à cidade de Tacoma e a alguns bairros de Seattle.

4 – Galeras, Colômbia

O vulcão Galeras está a apenas 9 km da cidade de Pasto. Só para você ter ideia, estamos falando de um vulcão ativo a pelo menos 1 milhão de anos. A atividade do Galeras é constante, e ele já teve diversas erupções desde os anos 2000.

A cada erupção os moradores da região precisam abandonar suas casas, ainda que nada mais grave tenha sido registrado. Mesmo assim, não deve ser muito agradável viver com o medo constante de que o vulcão ao lado possa acabar com a sua cidade e, inclusive, com você.

Em 1993 uma erupção inesperada acabou provocando a morte de seis cientistas que estudavam o vulcão e três turistas que faziam uma expedição no local.

5 – Monte Merapi, Indonésia

A Indonésia não é famosa apenas pelo vulcão Krakatoa, responsável pela morte de mais de 36 mil pessoas em sua erupção em 1883. Atualmente o vulcão ativo mais famoso do país é o do Monte Merapi, localizado na Ilha de Java.

Lá, a cidade de Yogyakarta, que abriga mais de 600 mil pessoas, é a mais ameaçada, afinal ela fica aos pés do vulcão, que, já se sabe, costuma ter erupções a cada cinco ou dez anos. As erupções são famosas pela enorme quantidade de pedras quentes e gases tóxicos que acabam derrubando para baixo da montanha – não é muito aconselhável morar nessa região, convenhamos.

Em uma erupção que ocorreu em 1930, o vulcão acabou matando 1.300 pessoas. Desde 2010 outras erupções acabaram causando a morte de 190 cidadãos de Yogyakarta. Os moradores do local vivem em constante medo, afinal a fumaça que sai do vulcão, visível quase todos os dias, é um alerta de que a qualquer momento outra erupção pode acontecer.