A Lua é a companheira mais próxima do nosso planeta em suas viagens pelo espaço e é o único corpo celestial (além da Terra, claro) que os seres humanos tiveram a oportunidade de visitar pessoalmente até agora. Ainda assim, mesmo com toda a sua proximidade e familiaridade, nosso satélite ainda esconde muitos segredos.

De seus aspectos científicos mais estranhos até as múltiplas formas em que afeta as nossas vidas, a Lua é um mistério que definitivamente vale a pena conferir de perto. Por esse motivo, você vê a seguir 11 dos fatos mais curiosos sobre o nosso querido satélite.

1 - Tremores lunares

Ainda que seja pouco mais que um grande pedaço de rocha com pouquíssima atividade geológica, a Lua também tem seus chacoalhões. Esses movimentos similares a terremotos são divididos em quatro categorias, sendo as três primeiras (tremores profundos, vibrações por impactos de meteoritos e movimentos termais causados pelo calor do Sol) relativamente inofensivas.

Já a quarta variante (tremores “rasos”) pode ser bastante desagradável, chegando a 5,5 graus na escala Richter e durando por incrivelmente longos 10 minutos. De acordo com a NASA, outro efeito deles é fazer a Lua “soar como um sino”. E o mais assustador é que não fazemos ideia do motivo por trás dos terremotos, já que o satélite não possui placas tectônicas ativas.

Alguns pesquisadores acreditam que as ocorrências podem estar relacionadas às atividades das marés na Terra, que são causadas pela atração lunar. No entanto, essa teoria se demonstra inconclusiva, já que as forças marítimas afetam a Lua como um todo, mas os tremores acontecem em locais específicos.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

2 – O “planeta gêmeo”

A maioria das pessoas acredita que a Lua é, bem, uma simples lua, mas há quem diga que, na realidade, o satélite deveria ser classificado como um planeta. O principal motivo para isso é o tamanho do corpo celeste, que, embora tenha cerca de um quarto do diâmetro da Terra, é de longe o maior satélite natural em comparação ao seu planeta no nosso Sistema Solar.

Por conta de seu grande tamanho, a Lua não orbita a Terra propriamente dita. Na verdade, ambos os corpos giram um em torno do outro, concentrados em um ponto entre os dois (chamado baricentro). Como essa região está localizada na crosta terrestre, temos a ilusão de que o “satélite” nos rodeia. O fato de o baricentro estar dentro do nosso planeta é o único elemento que impede a classificação de ambos como planetas gêmeos.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

3 – Lixo lunar

Todos sabem que o homem já pisou na Lua, mas poucas pessoas foram informadas de que ele tratou o lugar como uma área de piquenique. Ao longo dos anos, os astronautas que visitaram o satélite conseguiram o feito de largar por lá estimados 181.437 kg de objetos feitos por nós. Mas se acalme, pois não é como se eles estivessem sujando e jogando cascas de banana no chão de propósito.

A maioria do lixo é detrito resultante de vários experimentos, sondas espaciais e equipamentos lunares que passaram por lá em algum momento. Na realidade, alguns desses itens continuam funcionais até hoje. Ainda assim, é fato que há um pouco de lixo de verdade, como os contêineres guardando as fezes dos astronautas. Nojento.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

4 – A Lua é um cemitério

Eugene “Gene” Shoemaker, um famoso astrônomo e geólogo, foi uma espécie de lenda em seu campo de atuação. Foi ele quem desenvolveu a pesquisa de impactos cósmicos e criou os métodos e as técnicas que os astronautas da Apollo usaram para estudar a Lua. O próprio cientista desejava ser um viajante espacial, mas foi recusado por um pequeno problema de saúde.

Sabendo que essa foi a maior decepção da vida de Shoemaker, após a sua morte a NASA realizou um de seus maiores desejos e enviou suas cinzas no Lunar Prospector, em 1998. Os restos mortais do pesquisador continuam lá até hoje, espalhados em meio à poeira lunar.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

5 – Anomalias

Algumas das fotos tiradas por vários veículos que a visitaram mostram coisas bastante esquisitas na superfície da Lua. Muitas dessas imagens parecem exibir objetos artificiais que variam de pequenas formas similares a latas e tambores até coisas como o “Fragmento”, uma enorme estrutura que tem no mínimo 1,6 km de altura.

De acordo com entusiastas do paranormal, há até mesmo um grande castelo suspenso muito acima da superfície da Lua, indicando uma civilização avançada que viveu no satélite e que teria construído tais estruturas. A NASA nunca se deu ao trabalho de desmentir essas teorias, mas é muito provável que isso se deva ao fato de que as imagens que mostram esses “indícios de vida” tenham sido montadas pelos teóricos de conspiração.

6 – Pó lunar

Um dos perigos mais surpreendentes do nosso satélite é a sua poeira. Assim como a areia da terra, a substância do corpo celeste entra em todos os lugares imagináveis, com o agravante de ser fina como farinha, extremamente áspera e, graças a essa textura e à baixa gravidade, grudar em absolutamente tudo.

A NASA já passou por muitos problemas causados pelo pó da Lua, que abriu buracos nas botas de astronautas, bloqueou seus visores, entrou com as roupas espaciais nas naves e causou febre em quem a inalou. Acredita-se que uma exposição prolongada poderia causar falhas no isolamento de ar e até quebrar os trajes de exploração do espaço. E caso você tenha ficado imaginando: sim, a poeira tem o cheio de pólvora usada.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

7 – Dificuldades com baixa gravidade

Embora a força seja apenas um sexto do que é na Terra, a movimentação na superfície da Lua não é de forma alguma uma tarefa simples. Segundo o astronauta Buizz Aldrin, as roupas desajeitadas e a camada de pó que fazia seus pés afundarem em 15 cm dificultaram bastante as caminhadas.

A menor gravidade diminui o atrito entre os corpos e a superfície lunar, o que faz com que os corpos tenham uma grande força de inércia. Isso, portanto, causou complicações quando os astronautas queriam se mover rápido ou mudar de direção. Se os exploradores quisessem realmente ir mais rápido do que com passos lentos, eram forçados a se mover em saltos grandes e desajeitados, o que também não é facilitado pelo terreno irregular cheio de crateras.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

8 – A origem da Lua

Embora ninguém possa falar com certeza de onde veio o satélite, existem cinco teorias de peso sobre o assunto. A Teoria da Fissão argumenta que nossa lua era uma parte da Terra que, em algum momento não identificado do passado, se separou do fundo da região do oceano Pacífico. Já a da Captura diz que a Lua estava simplesmente vagando pelo espaço quando foi presa pelo nosso campo gravitacional.

Outras duas hipóteses falam que o corpo celeste foi condensado a partir de asteroides ou se formou após a colisão do nosso planeta com outro do tamanho de Marte. A teoria mais aceitável até o momento, no entanto, é a do Impacto Gigante, que diz que um planeta em formação chamado Theia bateu na Terra, dando origem a uma nuvem de detritos que eventualmente se transformou na Lua.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

9 – Influência no sono

Que o satélite e nosso planeta se influenciam mutuamente, é algo que não há como negar, mas um momento de grandes debates são os efeitos do astro sobre os seres humanos. Há quem diga que a lua cheia é capaz de trazer à tona os comportamentos mais estranhos de uma pessoa, mas a única coisa que a ciência confirma é que há uma boa chance de que o corpo celeste altere nosso ciclo de sono.

De acordo com um estudo baseado em voluntários da Universidade de Basel, na Suíça, as fases da lua afetam – e confundem – os ciclos de sono dos humanos de uma forma claramente mensurável; segundo esse estudo, nossas piores noites costumam coincidir durante a lua cheia. Se a pesquisa estiver correta, essa é uma boa explicação de por que costumamos ver as pessoas fazendo mais loucuras nas épocas em que Lua aparece com mais clareza.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

10 – Sombras lunares

Quando Neil Armstrong e Buzz Aldrin chegaram pela primeira vez ao então desconhecido solo do satélite, prontamente fizeram a surpreendente descoberta de que a falta de uma atmosfera faz com que as sombras lá sejam bem mais escuras que as de cá. Quando colocavam seus pés dentro de uma sombra, eles ficavam completamente invisíveis, mesmo com o Sol batendo forte sobre suas cabeças.

Embora logo tenham notado que seus olhos podiam se adaptar à escuridão, o contraste entre as áreas claras e as sombreadas continuou forte. As coisas só ficaram mais estranhas quando eles perceberam que suas próprias sombras tinham contornos luminosos, causados pelo efeito de oposição (fato que eles descobriram posteriormente) – um fenômeno que faz com que áreas negras pareçam cercadas por faixas de luz quando vistas em certo ângulo do Sol.

As sombras da Lua causaram problemas em muitas das missões Apollo. Alguns astronautas não conseguiram realizar suas tarefas de manutenção porque suas próprias mãos bloqueavam a luz, enquanto outros se confundiram achando que pousariam em uma ladeira íngreme e bateram no chão sem luz, que parecia uma caverna profunda.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

11 – Magnetismo misterioso

Um dos mistérios mais duradouros do nosso satélite é a sua falta de campo magnético – o que se provou um problema real quando se descobriu que as rochas lunares trazidas pelos astronautas nas décadas de 60 e 70 eram magnéticas. Será que elas tinham origem alienígena? Como isso é possível?

Hoje a Ciência já descobriu que a Lua costumava ter um capo magnético, mas ainda não se chegou a um consenso sobre o que exatamente o fez desaparecer, ficando a disputa entre duas teorias principais. Um time de pesquisadores acredita que isso aconteceu por conta de movimentos naturais do núcleo de ferro do astro, enquanto o outro defende que o sumiço deve ter relação com uma série de impactos com grandes rochas espaciais.

Fonte da imagem: Reprodução/Listverse

Conhece algum outro mistério envolvendo nosso satélite natural? Deixe sua opinião nos comentários.