(Fonte da imagem: Thinkstock)

Você já deve ter ouvido inúmeras vezes que escutar música clássica — especialmente as composições de Mozart — enquanto estamos estudando ou lendo algo complexo pode melhorar o nosso desempenho e até nos tornar mais inteligentes. Mas será que esse tipo de música realmente tem tanto poder?

De acordo com a BBC, esse fenômeno se tornou tão popular que inclusive recebeu um nome: Efeito Mozart. Nos anos 90, milhares de pais passaram a expor seus filhos a longas sessões de música clássica, e houve até fazendeiros comprando CDs do celebrado compositor austríaco para induzir seus rebanhos a produzir leite de melhor qualidade. Contudo, na hora de encontrarmos evidências científicas sobre o tema, o milagre da música se torna menos claro.

A ideia surgiu a partir da publicação de um estudo, no qual um modesto grupo de estudantes realizou uma série de testes mentais depois de ouvir uma fita de relaxamento, ficar em silêncio e escutar uma composição de Mozart durante períodos de 10 minutos. Os pesquisadores concluíram que os participantes que ouviram música se saíam melhor em testes nos quais tinham que criar formas em suas mentes, e que esse efeito durava por alguns minutos.

Efeito Mozart

(Fonte da imagem: Thinkstock)

Embora as músicas de Mozart tenham ganhado fama depois da publicação desse estudo em particular, pesquisas posteriores demonstraram que ouvir música, apesar de não nos tornar mais inteligentes, realmente parece melhorar temporariamente a nossa habilidade de manipular formas mentalmente. E mais: o efeito não aparece apenas quando somos expostos às obras de Mozart, mas quando escutamos qualquer tipo de coisa que nos agrade.

Isso inclui os mais diversos gêneros musicais, versos, podcasts, barulhos da natureza, enfim, qualquer coisa que você goste de escutar e deixe você mais alerta. Aliás, de acordo com a BBC, o mesmo efeito também pode ser alcançado quando realizamos qualquer atividade que nos agrade.

Entretanto, existe sim uma forma na qual a música realmente pode nos tornar mais inteligentes. Um estudo conduzido no Canadá sugere que aprender a tocar um instrumento musical pode melhorar o nosso desempenho cerebral, e que um ano de aulas de piano combinadas com práticas regulares podem aumentar o QI em até três pontos. Infelizmente, essa atividade dá um pouco mais trabalho do que simplesmente apertar o play e ouvir um CD.