Como você sabe, os nossos corpos são verdadeiros biomas ambulantes que servem de “lar” para incontáveis de espécies de fungos, bactérias, vírus e outros bichinhos, todos coexistindo em relativa harmonia. Por sorte, a grande maioria desses seres é invisível a olho nu, portanto, isso significa que — em condições normais — nem sequer nos damos conta de sua presença.

Aliás, ainda bem que não conseguimos enxergar essas criaturas mesmo, pois muitas delas têm aparências simplesmente horripilantes, sem falar que, embora sejam comuns e existam nos corpos de todo mundo, elas são bem nojentinhas!

Exemplos desses seres são o Demodex brevis e o Demodex folliculorum — sobre os quais já falamos aqui no Mega Curioso —, duas espécies de ácaros que vivem apenas em humanos, especialmente no couro cabeludo, no rosto e parte superior do peito.

Demodex folliculorum

O Demodex folliculorum — o monstrinho de aparência desagradável da imagem acima — tem predileção por folículos pilosos e costuma se “reunir” com os amigos nos cílios. Aliás, como você pode ver na foto a seguir, eles se congregam nos poros foliculares e as aquelas bolinhas amarelas são suas extremidades projetando-se para fora. Eca!

Veja a partir de outro ângulo, onde a coluna amarela rodeada por estruturas menores é, na verdade, um fio de cabelo, e os montinhos verdes que aparecem ao lado são as caudas dos Demodex:

Demodex brevis

O Demodex brevis, por sua vez, se reproduz nas glândulas sebáceas ligadas aos folículos pilosos e, apesar de não ter a aparência muito diferente do D. folliculorum, costuma ser menos “sociável” e prefere ocupar as glândulas sebáceas sozinho. Confira:

Mas não se preocupe, pois tanto o Demodex brevis como o Demodex folliculorum são diminutos — eles medem menos de 0,4 milímetros de comprimento, sendo que o D. brevis costuma ser um tiquinho menor do que o D. folliculorum — e seus corpinhos alongados são transparentes. Além disso, esses ácaros não vivem por muito tempo: seu ciclo de vida, ou seja, desde que saem de seus ovinhos e se transformam de larva a adulto, dura apenas entre 14 e 18 dias.

Olha aí uma reunião de Demodex folliculorum!

Esses dois monstrinhos se alimentam de células mortas e não costumam causar grandes problemas, a não ser que a “população” desses organismos se torne muito grande. Nesse caso, existe um debate entre os dermatologistas sobre o fato de o D. folliculorum e o D. brevis provocarem alguns problemas pele, como a rosácea — caracterizada por manchas avermelhadas e inflamação do tecido vascular — e a blefarite, uma inflamação das pálpebras.