A Idade Média foi um período repleto de figuras inspiradoras que são lembradas e até celebradas até hoje na literatura, TV e cinema. No entanto, existem algumas histórias sobre elas que podem ter sido contadas de forma errada. Quer saber algumas? Confira abaixo.

5 – Maquiavel amava a República 

Fonte da imagem: Reprodução/List Verse

Nicolau Maquiavel nasceu em 1469, quando a Idade Média estava chegando ao fim. Com o feudalismo acabando, muitos europeus começaram a questionar a legitimidade do poder monárquico, inclusive o próprio Maquiavel.

Natural de Florença, ele foi consumido pelo pensamento político e foi nessa encruzilhada política que o historiador escreveu o seu legado.

A obra mais conhecida de Maquiavel é “O Príncipe”. Concluída em 1513, a obra foi criticada como um guia para os tiranos. Ela contém conselhos sobre o regime monárquico de governo e sugere táticas que parecem amorais, desprezíveis e desonestas, todas aparentemente em nome de um bem maior — o que deu origem ao posterior adjetivo da língua portuguesa “maquiavélico”.  

Ele escreveu o livro após ser preso e torturado a mando da família Medici, em Florença, que havia retornado recentemente ao poder. Esses governantes torturaram Maquiavel e o resto de seus amigos republicanos. É isso mesmo: Maquiavel foi um grande defensor do republicanismo, e não da monarquia.

Seus ideais republicanos foram amplamente expressos no “Discursos sobre Tito Lívio” . Quando Medici chegou ao poder, Maquiavel foi acusado de conspiração contra os governantes, demitido de seu cargo político e preso e torturado durante um ano. A obra que escreveu após a sua libertação foi dedicada a Lorenzo de Medici, um homem parcialmente responsável pela sua tortura.

4 – Gutenberg não inventou a impressão

Fonte da imagem: Reprodução/List Verse

Com a imprensa de Johannes Gutenberg, os europeus foram capazes de compartilhar e distribuir informações de forma mais eficaz do que nunca, alterando permanentemente a paisagem política e artística. A invenção de Gutenberg pode ter sido tão influente, que uma pesquisa recente do Economist classificou-a como um evento mais importante do que o nascimento de Jesus de Nazaré.

O problema é que, segundo alguns pesquisadores, Gutenberg não inventou a impressão. Sua i, concluído em 1439, fez a invenção prontamente disponíveis e de distribuição na Europa , mas ele não pode ser creditado com sua invenção original.

Na verdade, é bem possível que o seu dispositivo de impressão móvel tenha sido fortemente "inspirado" por prensas existentes da época. Estas prensas tiveram origem, em grande parte, na Ásia.

Inventores chineses e coreanos criaram prensas de impressão cerca de um século antes de Gutenberg. Dado que o comércio pesado estava ocorrendo entre a Europa e a Ásia, no século 15, Gutenberg pode ter tido conhecimento da tecnologia de impressão asiática. Os chineses haviam feito experiências com o processo por centenas de anos. Na verdade, blocos de impressão estava em desenvolvimento desde 2300 a.C. pelos sumérios.

Os chineses já imprimiam livros com xilogravuras em meados de 800 d.C., e um homem chamado Bi Sheng inventou o tipo móvel nos idos do primeiro século. Um exemplo notável de um livro medieval chinês produzido é o Livro da Agricultura, escrito por Wang Zhen e impresso em 1313.

Além disso, um monge coreano chamado Baegun criou os tipos móveis de metal em 1377, que duravam mais que as prensas de madeira. Depois disso, Gutenberg só tinha que descobrir mesmo como construir uma prensa de impressão que poderia ser produzida em massa.

3 – Joana D’arc não lutou em batalhas

Fonte da imagem: Reprodução/List Verse

Uma inesperada, mas extraordinariamente bem-sucedida líder, Joana d`Arc, liderou o exército francês com alguma moral durante a Guerra dos Cem Anos. Alegadamente comandada por vozes de santos, Joana foi capturada pelos ingleses e queimada pela acusação de heresia em 1431, mas os franceses finalmente só venceram o conflito cerca de 30 anos após sua morte.

Joana D`Arc nunca matou ninguém. Ela nem sequer realmente lutou em batalha. Claro, ela estava na linha de frente linhas e foi ferida, mas ela serviu como uma figura inspiradora para o exército francês, não como uma combatente. Ela vestiu uma armadura especialmente criada para ela e reuniu as tropas para a vitória.

No tempo em que esteve com o exército e o governo, Joana servia como referência admirável para todos que a cercavam. Ela proibiu a blasfêmia, saques e assédio, desempenhando um papel importante em decisões táticas do exército. Joana foi canonizada em 1920, sendo lembrada como um ícone nacional na França.

2 – Macbeth era um governante justo e protetor

Fonte da imagem: Reprodução/List Verse

Você provavelmente está mais familiarizado com Macbeth por causa da peça de mesmo nome de William Shakespeare. A história conta que Macbeth, um general escocês proficiente e conde, que assassina o rei Duncan. Macbeth, com a orientação de três bruxas más e pressão de sua esposa, assume o trono para si, roubando do filho de Duncan (Malcolm) o seu direito de governar.

Macbeth demonstrava ser um líder bastante medíocre. Com isso em vista, um exército popular, formado por dissidentes escoceses e aliados ingleses, o derrubou e Malcolm foi colocado no trono escocês.

A peça de Shakespeare era politicamente relevante no início de 1600, quando foi apresentada pela primeira vez, especialmente em seu comentário sobre a relação entre a Inglaterra e Escócia. Mas Shakespeare sabia que não devia deixar que a precisão histórica ficasse no caminho.

Na realidade, o rei Duncan era um belicista incompetente que levou a Escócia em campanhas militares desastrosas. Em 1040, Macbeth foi proclamado rei da Escócia. Seus aliados nórdicos, liderados por Thorfinn, foram presenteados com terras naquele país.

Durante o seu reinado, Macbeth tentou reparar os danos causados ​​por Duncan. Ele reconstruiu o interior da Escócia e as relações foram recuperadas com outras nações. Enquanto isso, Malcolm foi capaz de encontrar apoio na Inglaterra. Sob a lei inglesa, ele tinha o direito legítimo ao trono como um descendente de Duncan. Macbeth não.

A mesma regra não se aplicava na Escócia e, apoiado pela Inglaterra, Malcolm invadiu a Escócia e matou Macbeth em 1057, tomando o reinado em 1058 após uma resistência dos aliados de Macbeth.

1 – Robin Hood pode ter sido um bandido comum

Fonte da imagem: Reprodução/List Verse

Robin Hood é sempre retratado como um bandido que rouba dos ricos e dá aos pobres, escondendo-se na floresta de Sherwood com seu bando de amigos alegres. A primeira referência literária conhecida de Robin Hood foi em 1377. Alguns estudiosos suspeitam que o literário Robin Hood teria sido provavelmente inspirado em uma pessoa real.

A verdade tentadora é que havia uma abundância de “Robins Hoods” no século 13, na Inglaterra. Eles surgem em todos os registros legais como descrições de criminosos que usavam, assim, mantos e capuzes (robe e hood, em inglês, de onde originou o nome). O "real" Robin Hood pode ter sido nada mais do que um bandido camponês comum, que buscava uma graninha fácil.

A mais plausível identidade de Robin Hood pode ser encontrada em Roger Godberd, um camponês que roubou alguns viajantes, junto com um bando de bandidos. Ele chegou a ser preso pelo Xerife de Nottingham. Mas a verdadeira existência dessa figura, enraizada na cultura britânica, pode permanecer um mistério para sempre.