(Fonte da imagem: Reprodução/University of North Texas)

Uma das teorias que os cientistas disseminam é a de que a vida pode começar de diferentes maneiras e em diferentes condições. Um fator que vem para reforçar essa hipótese é o está acontecendo na Titã, uma das luas de Saturno.

Nesse satélite, estão presentes todos os fatores que viabilizam o começo da vida sem água, como a presença de luz ultravioleta e nitrogênio — o principal componente dessa “receita” é uma grande névoa laranja de hidrocarboneto. Além disso, foram encontradas moléculas na atmosfera dessa lua, mas elas continuam sem identificação, pois a sonda que as encontrou não tem recursos para a análise.

Dessa maneira, a criação de DNA — que é um dos requisitos essenciais para vida — pode ser viabilizada, originando outros tipos de seres. Isso não acontece de uma hora para a outra e não é um fato concreto, mas há chances remotas de que aconteça.

Com isso, os cientistas podem começar a entender melhor como a atmosfera planetária foi influente na formação de vida na Terra, orientando melhor o estudo em outros planetas.

Fonte: CSMonitor