De acordo com o site Science, Space & Robots, a animação acima mostra o que um grupo de pesquisadores da Universidade do Texas observou enquanto flagrava um vírus em plena ação, infectando um ser vivo. Segundo a publicação, o micro-organismo em questão é um bacteriófago T7, e a célula infectada por ele, uma bactéria da espécie E. coli.

A estrutura colorida que se parece com uma sonda espacial representa o T7, e os cientistas acompanharam o mecanismo de ação do vírus durante o processo de infecção. Eles observaram que o micro-organismo conta com seis fibras — as perninhas que aparecem em amarelo — em sua cauda (a parte em vermelho), que ficam dobradas próximo ao capsídeo (a bolota azul), ou seja, próximo ao invólucro protetor que envolve os vírus.

As fibras servem para que o vírus possa percorrer a superfície do organismo que será infectado — no vídeo, a bactéria E. coli, representada em verde — em busca de algum ponto frágil que servirá de porta de entrada. Essa é a primeira vez que um vírus é flagrado utilizando sua cauda para infectar um ser vivo, e os pesquisadores acreditam que é essa ação a que permite que o T7 introduza seu material genético no interior das bactérias.