Quem foi Joseph Goebbels, citado pelo secretário da Cultura?

Quem foi Joseph Goebbels, citado pelo secretário da Cultura?

Último Vídeo

Na quinta-feira (16), Roberto Alvim, secretário nacional da Cultura, proferiu um discurso um tanto chocante ao parafrasear uma fala do ministro de Propaganda de Adolf Hitler, Joseph Goebbels. O vídeo foi postado no Twitter da secretaria, e a música de fundo escolhida também era a ópera favorita do Führer, chegando até a ser citada em Mein Kampf (Minha Luta), o livro escrito pelo nazista. Veja o vídeo abaixo.

Alvim fala “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada”, que basicamente foi a mesma coisa que Goebbels disse aos diretores teatrais durante o nazismo, em uma carta que sugeria “novas direções” para o teatro do país na época.

Quem foi Joseph Goebbels?

(Fonte: Reprodução)

O Ministro da propaganda da Alemanha nazista juntou-se ao partido de Hitler em 1924, sendo escolhido pelo mesmo para ser líder distrital em Berlim. Goebbels foi o grande responsável pela divulgação das ideias do partido e da criação da imagem de Hitler como Führer.

O trabalho que ele e sua equipe realizavam incluía a criação de cartazes, filmes e manifestações na rua para convencer a população comum sobre os ideais nazistas.

Seus 11 princípios para convencer o povo incluíam:

  • 1 – Escolher apenas um inimigo até acabar com o mesmo
  • 2 – Afirmar que o inimigo seria um estigma tanto para o presente quanto para o futuro
  • 3 – Afirmar que todos os males sociais eram causados por este inimigo
  • 4 – Exagerar as notícias ruins para criar um clima de profunda insegurança e temor
  • 5 – Dizer que todas as ações do inimigo são vulgares e fácies de descobrir
  • 6 – Divulgar tanto os boatos até se tornarem notícias na imprensa oficial
  • 7 – Sempre bombardear a população com notícias novas do inimigo, para sufocá-la
  • 8 – Fazer com que vários especialistas dessem sua interpretação sobre uma informação, mas sempre contra o inimigo escolhido.
  • 9 – Ocultar as informações que não eram convenientes.
  • 10 – Usar um fato passado para potencializar a urgência de um presente.
  • 11 – Tentar convergir assuntos de interesse geral, usando o sentimento produzido pelo povo contra o inimigo escolhido

Em 1933, quando Hitler se tornou chanceler, ele foi nomeado para o cargo no ministério. Era uma posição muito importante, porque o uso da propaganda foi usado fortemente no início da Segunda Guerra Mundial para convencer a população a combater os verdadeiros inimigos: judeus, ciganos, comunistas e os Aliados.

O poder de Goebbels era tão imenso que ele foi indicado pelo Führer para substituí-lo. Após o suicídio de seu líder, ele chegou a assumir o cargo de chanceler por um dia, mas diante da derrota cada vez mais certa, optou por envenenar seus 6 filhos e cometer suicídio junto com sua esposa.

Repercussões da citação

Diante da indignação gerada nas redes sociais após seu discurso, Alvim alegou que o episódio foi uma coincidência retórica, porém não foi o bastante para o presidente Jair Bolsonaro, que optou por demitir já que sua situação se tornou “insustentável”.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.