Culto ao corpo: supérfluo ou cultural?

Culto ao corpo: supérfluo ou cultural?

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Ontem, devido ao número superior ao normal de alunos na academia, percebi que o projeto verão voltou a fazer parte do calendário da “população”. Eram filas nos aparelhos e o assunto girava em torno das férias de verão e da pressa na eliminação das gordurinhas para que estas não se tornem o grande atrativo nos modelitos praianos.

Esta preocupação “em massa” me fez lembrar um livro que li na faculdade: “O corpo como capital”, organizado pela professora e antropóloga Mirian Goldenberg. Este livro reúne o trabalho de oito antropólogos que analisam a especificidade da construção social do corpo na cultura brasileira. Os autores realizaram entrevistas e observação participante em locais estratégicos para refletir sobre o corpo e deram continuidade às reflexões sobre o papel central que ele está ocupando na sociedade brasileira.

Qual é o valor atribuído ao corpo? Esse valor é o mesmo no Brasil, na França e na Alemanha? O que homens e mulheres pretendem ao buscar a boa forma física? Através de pesquisas, Mirian Goldenberg descobriu que o corpo considerado, culturalmente, belo é um dos bens mais valiosos e cobiçados pelos brasileiros. Este deve ser sempre sexy, jovem, magro e em boa forma. Um corpo conquistado por meio de um enorme investimento financeiro, muito trabalho e uma boa dose de sacrifício.

Ao analisar algumas das questões da pesquisa, é claramente perceptível a recorrência da categoria "o corpo" nas respostas femininas e masculinas. Por exemplo, ao perguntar às mulheres: O que você mais inveja em uma mulher? Elas responderam: beleza em primeiro lugar, o corpo, em seguida, e inteligência em terceiro lugar. Quando os homens são questionados: O que você mais inveja em um homem? Tem-se como respostas: inteligência, poder econômico, beleza e o corpo.

“Ao contrário do que ocorre em outros países, aqui, o corpo é visto como um capital que oferece prestígio, sucesso e poder”, diz a antropóloga. Enquanto, na França, por exemplo, o destaque é dado às roupas elegantes, no Brasil, elas assumem a condição de um mero acessório para exaltar o corpo da melhor e maior forma possível.

Pode-se dizer que ter "o corpo", com tudo o que ele simboliza, promove nos brasileiros uma conformidade a um estilo de vida e a um conjunto de normas de conduta, recompensada pela gratificação de pertencer a um grupo de valor superior. Nossa preocupação com a boa forma tem origens culturais arraigadas, não sendo só o culto ao supérfluo que nos leva a despender tempo e dinheiro com a boa forma do “corpitcho”.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.