O norte-americano A.C. Gilbert foi o fundador de uma das maiores empresas de brinquedos do mundo. A sua companhia foi fundada em 1909, em Westville, Connecticut, originalmente como uma empresa de fornecimento de suprimentos para shows de mágica. Foi apenas alguns anos depois que ele começou a fabricar brinquedos, criando o primeiro que era um jogo de construção de pontes de trem e outras estruturas.

Tempos depois desse lançamento, que teve bastante sucesso, A.C. Gilbert lançou kits de química, microscopia e laboratório de energia atômica, Não precisa nem falar que este último é aquele que pode ter sido o brinquedo mais perigoso do mundo.  

Seus kits de microscopia vinham com partes de insetos, enquanto outros permitiam que as crianças usassem chumbo fundido para fazer seus próprios soldadinhos e, no kit de energia atômica, existiam alguns tipos diferentes de urânio — algo muito comum para as crianças brincarem, não é mesmo? Não. 

Segurança zero

Hoje, a maioria dos brinquedos vem com bordas arredondadas, características de segurança, cores brilhantes e etiquetas de advertência com limite de idade e de cuidados para o uso de cada um.

Há avisos de segurança do consumidor e extensos testes feitos para ter certeza que ninguém vai se machucar acidentalmente com aquele presente que fez a alegria do aniversário de uma criança. Além disso, a atenção dos pais hoje é ainda maior em checar várias vezes se o brinquedo oferece algum risco.

Mas não foi sempre assim. Aqueles brinquedos feitos pela gigante A.C. Gilbert Company, que foi uma das principais fabricantes entre 1909 e 1964, no princípio, uniam diversão em conjunto de noções de arquitetura, ciências e física de forma educativa. Mas depois...

Por apenas 6,50 dólares, as crianças podiam comprar o Kit Gilbert Kaster. O jogo permitia que elas fizessem os seus próprios soldadinhos de chumbo com o metal fundido, simplesmente aquecendo-o a 200 graus Celsius e colocando-o em moldes.

Nos kits de microscópio, as crianças podiam escolher entre aqueles que incluíam coisas como pedaços de minerais ou pedaços de insetos, tudo pronto para ser examinado no microscópio.

Energia nuclear

Mas os conjuntos de química eram ainda mais inseguros, apesar de as crianças acharem divertidíssimos, o que realmente era, mas elas não imaginavam o risco que estavam correndo.

Com esses kits, as crianças podiam fazer experiências com a mistura e aquecimento de produtos químicos, como o nitrato de sódio, cloreto de amônia e cloreto de cobalto, sendo que alguns ainda incluíam diferentes tipos de cianeto.

Em seguida, houve, naturalmente, o Kit Gilbert sopro de vidro, que permitia que as crianças produzissem os seus próprios tubos de ensaio, derretendo e moldando vidro com um maçarico.  Mas o pior ainda estava por vir. Logo, o produto Gilbert U-238 Laboratório de Energia Atômica foi lançado e, apesar de ter durado pouco tempo, muitas crianças tiveram horas de diversão manipulando material radioativo.

As crianças podiam aprender a usar um contador Geiger (também incluído no kit) — que é um detector de radiação —, usar o minério de urânio contido no kit (tudo muito seguro), brincar com a câmara de nuvem em miniatura e ler tudo sobre materiais radioativos nos livros incluídos.

Havia também um folheto que tinha um curso intensivo sobre como encontrar o seu próprio urânio. O item foi retirado de circulação devido a denúncias de que ele era radioativo e representava perigo para as crianças. A bizarrice e o perigo do brinquedo se tornaram tão famosos tempos depois, que o item é hoje um dos mais procurados por colecionadores, que podem pagar um alto preço por ele.