Pouco antes de morrer, Stephen Hawking previu o fim do mundo
1.085
Compartilhamentos

Pouco antes de morrer, Stephen Hawking previu o fim do mundo

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

O físico Stephen Hawking, que morreu na última quarta-feira (14), estava trabalhando até pouco tempo antes de seu falecimento e, duas semanas antes de partir, Hawking havia feito conclusões interessantes sobre uma nova pesquisa que envolve temas como o fim do mundo e a busca por evidências de multiversos.

O trabalho em questão envolve noções do Big Bang, do surgimento do nosso planeta e de uma série de outros fenômenos parecidos com o próprio Big Bang, que, segundo o cientista, seriam os responsáveis por criar outros universos.

Ao lado do parceiro de pesquisa Thomas Hertog, Hawking sugeriu que esses universos podem ser encontrados com a ajuda de sondas instaladas em naves espaciais.

Será?

Stephen Hawking

No mesmo documento, os cientistas afirmam que a tendência é a de que o nosso universo desapareça completamente um dia, na medida em que as estrelas começarem a ficar sem energia.

Como sempre aconteceu ao longo de sua vida acadêmica, as afirmações do físico, e também de Hertog, acabaram gerando respostas diferentes entre outros cientistas, e se alguns acreditam que as ideias propostas são necessárias aos estudos de Cosmologia, outros discordam da linha de raciocínio de Hawking e de Hertog.

Para o professor de cosmologia da Universidade de Durham, Carlos Frenk, é simplesmente impossível medir outros universos: “A ideia intrigante no artigo de Hawking é que [o multiverso] deixou sua marca na radiação de plano de fundo permeando nosso universo de modo que podemos medir isso com um detector em uma nave espacial”, disse.

Partindo dessa ideia, Frenk acredita que encontrar evidências de outros universos realmente mudaria a forma como percebemos nossa existência e nosso lugar dentro do cosmos – de fato, isso faz muito sentido. Você acha que encontraremos essas evidências um dia?

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.