Fósseis de até 50 milhões de anos são reconstruídos por cientistas

Fósseis de até 50 milhões de anos são reconstruídos por cientistas

Último Vídeo

Uma equipe de pesquisadores da University College Cork (UCC), na Irlanda, descobriu como reconstruir corpos de vertebrados extintos há muito tempo a partir da "análise da química dos melanossomas fossilizados dos órgãos internos". As chamadas melanossomas são organelas (estruturas que executam tarefas específicas dentro das células) onde a melanina é sintetizada, armazenada e transportada. A melanina, por sua vez, é o pigmento que colore a íris dos olhos, os cabelos, as penas e a pele.

Reprodução/Popular Mechanics

O estudo foi conduzido por Valentina Rossi e Maria McNamara, bióloga e professora de geografia na universidade. Juntamente com um grupo de químicos do Japão e dos Estados Unidos, elas utilizaram um acelerador de elétrons para analisar a composição química dos fósseis.

Apesar da deterioração sofrida com a fossilização que acaba gerando perda da integridade física e química dos espécimes, foi possível refazer alguns tecidos moles dos vertebrados fósseis em observação. Ademais, os resultados revelaram que a melanina em animais como pássaros, mamíferos, répteis (e seus “equivalentes fósseis”), concentra-se em altas quantidades em seus órgãos internos. Essa descoberta facilitou a missão dos pesquisadores: reconstruir determinados órgãos e tecidos dos animais pré-históricos de uma maneira nunca antes feita.

Reprodução/Popular Mechanics

"O ponto intrigante aqui é o fato de os animais terem melanossomas - que normalmente produzem coloração na pele, penas e cabelos - em seus órgãos internos.", Valentina afirma em uma declaração ao Popular Mechanics.

A equipe de Rossi e McNamara estudou fósseis de sapos e girinos de 10 milhões de anos e espécimes de um réptil marinho e um morcego pré-histórico de quase 50 milhões de anos. McNamara declarou em um comunicado à imprensa que a descoberta é notável "na medida em que abre um novo caminho para a reconstrução da anatomia de animais antigos. Em alguns dos fósseis, foi possível identificar pele, pulmões, fígado, intestino, coração e até mesmo o tecido conjuntivo".

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.