Peste Negra pode ter se originado na Rússia, afirmam cientistas

Peste Negra pode ter se originado na Rússia, afirmam cientistas

Último Vídeo

Pesquisadores do Instituto Max Planck de Ciência da História Humana em Jena, Alemanha, descobriram que a evidência mais antiga conhecida da Peste Negra vem de Laishevo, na região do Volga, na Rússia. 

No século XIV, a Peste Negra exterminou até 60% da população da Europa, espalhando-se rapidamente das margens do Mar Negro para a Europa central. Embora os registros históricos documentem seu surgimento por volta de 1343, na região do baixo Volga da Rússia, os pesquisadores não sabiam se a cepa altamente virulenta da bactéria Yersinia pestis, que causou a pandemia mortal, veio de uma única fonte ou foi introduzida na Europa mais de uma vez por viajantes carregando diversas variedades de peste de diferentes partes do mundo antigo.

Fonte: Archeodunum Sas/Gourvennec Michael - Reprodução Science Mag

A origem da Peste Negra

O estudo analisou 34 genomas antigos de Y. pestis dos dentes de pessoas enterradas em 10 locais da Europa dos séculos XIV a XVII (incluindo uma vala comum em Toulouse, França — na foto acima). Lá, os pesquisadores descobriram uma cepa de Y. pestis que era ancestral de todos os outros genomas que estudaram, diferindo em apenas uma mutação daqueles que causaram a Peste Negra na Europa. Isso não significa que a região do Volga foi o ponto zero para a Peste Negra — poderia ter vindo de outros lugares do oeste da Ásia, onde os cientistas ainda não testaram o DNA antigo de Y. pestis

"Mostramos que uma análise extensiva dos antigos genomas de Y. pestis pode fornecer informações únicas sobre a microevolução de um patógeno por um período de várias centenas de anos", disse um dos autores do estudo e diretor do Departamento de Arqueogenética do Instituto Max Planck, Johannes Krause. 

Os pesquisadores descobriram que, uma vez que a praga chegou à Europa, uma única cepa foi responsável pela Peste Negra, da Itália ao Reino Unido. Essa cepa também deu origem a outras variantes de Y. pestis que causaram surtos de pragas mortais do final do século XIV ao século XVIII. Isso sugere que a bactéria persistiu localmente na Europa, talvez em hospedeiros de roedores, onde evoluiu para diversas cepas que causaram epidemias posteriores. A pesquisa foi publicada na revista Nature Communications.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.