Relógio do Apocalipse: o fim do mundo está mais próximo do que nunca

Relógio do Apocalipse: o fim do mundo está mais próximo do que nunca

Último Vídeo

Indicativos recentes do Relógio do Apocalipse, também conhecido como Relógio do Juízo Final, demonstram que os ponteiros estão 100 segundos mais próximos da meia-noite. Apesar de a contagem não ser efetuada a partir de conceitos reais em relação ao tempo, ou seja, ser uma metáfora, as informações são alarmantes, principalmente devido à gravidade das fatalidades recorrentes atualmente, resultado do início das atividades nucleares no mundo.

Criado em 1947 a partir de uma projeção da artista Martyl Langsdorf, o Relógio do Apocalipse propõe a reflexão e consequente alerta do quão próximos podem estar os episódios catastróficos para o fim do mundo. A medição desse tempo simbólico é realizada pelo Boletim dos Cientistas Atômicos e apesar de inicialmente indicar apenas desastres nucleares, a partir de 2007 foram introduzidas também tragédias relativas ao meio ambiente e às mudanças climáticas, as quais têm se intensificado.

(Fonte: Johan63/Getty Images)
(Fonte: Johan63/Getty Images)

O Funcionamento do Relógio Apocaliptico

Os ponteiros do relógio metafórico são adiantados ou atrasados de acordo com o quão seguro está o mundo em relação ao ano anterior. Esta medição é analisada pelo Conselho de Ciência e Segurança do Boletim dos Cientistas Atômicos, apesar de não serem levados em conta quaisquer números estatísticos de probabilidade.

Informações referentes aos anos de 2018 e 2019 colocaram o Relógio do Apocalipse marcando dois minutos para a meia-noite. Este indicativo foi o mais próximo que o Boletim dos Cientistas Atômicos havia avançado, tendo em vista a posição no período da Guerra Fria.

Em 2020, ocorreu um novo avanço em direção ao fim do mundo, precisamente 20 segundos, o que nos leva ao resultado de 100 segundos. Por esta razão, o grupo concebeu um comunicado afirmando que “dizer que o mundo está mais próximo do dia do juízo hoje do que durante a Guerra Fria — quando os Estados Unidos e a União Soviética tinham dezenas de milhares de armas nucleares a mais do que agora — é fazer uma afirmação profunda que existe explicações sérias”.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.