MIT cria simulação que traça planos para evitar asteroides

MIT cria simulação que traça planos para evitar asteroides

Último Vídeo

Pensando na possibilidade de um "ataque preventivo" contra asteroides que orbitam o entorno do planeta Terra (NEOs), uma equipe de cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) criou uma espécie de "mapa preciso" onde é possível simular alternativas para evitar colisões com corpos espaciais. A pesquisa foi publicada na Acta Astronautica neste mês de fevereiro.

Responsáveis por impactos catastróficos caso entrassem em contato com o planeta e com a possibilidade de um novo risco poder tangenciar a órbita terrestre no futuro, os pesquisadores decidiram utilizar a tecnologia a seu favor para traçar alternativas de escape de tais eventos. "São descobertos dois a três novos objetos NEO por noite", disse Detlef Koschny, cientista de projeto da Agência Espacial Europeia (ESA), em entrevista para o Newsweek.

A proposta do MIT para contornar a colisão é fundamentada em casos de “desvio de última hora” e revela que a única possibilidade de evitar o confronto contra asteroides é com o impacto entre o corpo e um projétil cinético lançado em oposição. Dessa forma, o mapa de decisões do instituto calcula, através da análise de massa, momento, trajetória, velocidade e o tempo antes de ocorrer o impacto, a melhor maneira de lidar com o ataque.

https://asgardia.space/en/news/Asteroid-Threat-Is-Real-Say-Scientists
(Fonte: Reprodução)

Além disso, os fatores de incerteza de todas as variáveis consideradas são adicionados à equação de tratativa, utilizados para fechar o que cientistas chamam de "buraco de fechadura", termo que caracteriza uma estreita região que, após ultrapassada pelo asteroide, irá levá-lo direto para rota de colisão com a Terra. “Um buraco de fechadura é como uma porta – uma vez aberto, o asteroide afetará a Terra logo depois, com alta probabilidade”, esclarece Sung Wook Paek, autor senior do estudo.

Dessa forma, a simulação busca antecipar a hora do "buraco de fechadura gravitacional", facilitando sua deflexão após o impacto com o projétil. "Na maioria dos métodos de deflexão, as mudanças no curso são tipicamente muito pequenas, geralmente esperando apenas alterações na velocidade de alguns milímetros ou centímetros por segundo", acrescentou. "Portanto, a deteção precoce é essencial para permitir a hipotese de agir bem antes da colisão e garantir o sucesso."

Três missões aplicadas sobre os asteroides Bennu e Apophis já foram testadas pelas simulações.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.