01
Compartilhamento

Como é fabricado o vidro?

Você já parou para pensar como é que nós somos capazes de criar algo tão intrigante quanto os vidros? Se você já jogou Minecraft em algum momento da sua vida, deve saber que bastam aquecer alguns blocos de areia para que o material esteja pronto. Mas será que na vida real é assim que as coisas funcionam?

Acredite ou não, mas o vidro realmente é um produto de areia aquecida ou líquida. Quando a areia derretida esfria, ela não volta para a substância amarela arenosa que conhecemos: ela passa por uma transformação completa e ganha uma estrutura interna totalmente diferente. Então, vamos nos aprofundar nesse assunto.

O que é o vidro?

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Quando prestamos bastante atenção, podemos notar que a existência do vidro é uma verdadeira charada. No fim das contas, essa substância é resistente o suficiente para nos proteger de certas coisas, mas também frágil o bastante para se quebrar com certa facilidade ou cortar tudo por aí.

Além disso, apesar de atuar como um material sólido, o vidro nada mais é do que um estranho líquido disfarçado e espalhado por todas as partes: janelas, carros, vasos, lâmpadas, espelhos etc. O vidro é um dos materiais criados pelo homem mais antigos e versáteis do mundo.

Para criá-lo, basta aquecer a areia comum — que é composta majoritariamente de dióxido de silício — até ela derreter e se transformar em um líquido. Esse processo não acontece em um dia ensolarado normal na praia porque a temperatura de ebulição da areia é de 1,7 mil °C.

Porém, por mais que você tente resfriar a areia, ela jamais se transformará de fato em um sólido. O vidro, na verdade, pode ser considerado um líquido congelado ou um sólido amorfo, como dizem os cientistas. Esse tipo de material reúne a cristalização de um sólido e a aleatoriedade molecular de um líquido. Por fim, o processo de fabricação do vidro não é caro, e o material pode ser reciclado quantas vezes for desejado.

Quando o vidro foi inventado?

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Por mais incrível que pareça, pouquíssimo se sabe a respeito das primeiras tentativas dos humanos de criar vidro. Entretanto, a maioria dos pesquisadores acredita que esse material foi descoberto há 4 mil anos ou mais na região da Mesopotâmia. De acordo com o historiador romano Plínio, tudo teria começado com os marinheiros fenícios.

No passado, os velejadores teriam parado em uma praia próxima a Ptolemais, uma região próxima ao atual Israel, onde fizeram fogo para preparar uma refeição. A lenda diz que, para a surpresa dos marinheiros, a areia sob o fogo teria se transformado em líquido e depois se resfriado, ficando em formato de vidro.

Apesar da intrigante explicação, atualmente sabemos que esse cenário é completamente impossível, uma vez que esse tipo de fogo seria incapaz de derreter a areia. A explicação mais provável para essa história é de que a areia de Ptolemais sempre foi conhecida por ser usada na confecção de vidro.

Outros estudiosos acreditam que os seres humanos desenvolveram a capacidade de fazer vidro ao longo do tempo a partir de experimentos com uma mistura de areia sílica ou fragmentos de quartzo moídos. Outras indústrias de alta temperatura, incluindo cerâmica e metalurgia, poderiam ter inspirado os primeiros fabricantes de vidro.

Como o vidro era feito no passado?

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Eventualmente, a produção de vidro se tornou algo comum entre as sociedades. No Egito Antigo, uma oficina iria derreter os ingredientes para o vidro e resfriá-los para fazer lingotes ou pedaços crus de vidro utilizável. Esse também foi o período em que os fabricantes aprenderam a misturar esses lingotes com óxidos metálicos para criar o vidro colorido.

As cores mais populares de vidro incluíam o azul royal e o turquesa, que eram alcançados por meio da adição de óxido de cobalto e óxido de cobre, respectivamente — esses corantes são usados até hoje. Os vidreiros estavam tentando imitar pedras semipreciosas, como lápis-lazúli e turquesa, que eram valorizadas pelas primeiras culturas.

Então, os lingotes resfriados seriam enviados para outras fábricas onde seriam reaquecidos e moldados em diferentes formas. Essa segunda oficina não teria que aquecer o forno a uma temperatura tão alta quanto o forno de origem, porque menos calor é necessário para fundir o vidro novamente.

Como funciona a produção de vidro atualmente?

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Em tempos modernos, a matéria-prima usada para a confecção do vidro é misturada e processada para garantir a ausência de impurezas. Então, essa mistura é depositada em um forno industrial, onde será aquecida até que se transforme em um líquido viscoso. 

Depois, esse material é despejado em uma banheira de estanho com 15 centímetros de profundidade. Por ser mais denso, o estanho faz que o vidro flutue e fique completamente plano. É nessa etapa que os fabricantes determinam a espessura do vidro e seu formato. 

Para que o vidro seja resfriado, ele passará por duas etapas: a câmara de recozimento e o esfriamento ao ar livre. Dessa forma, a peça pode ser resfriada de maneira gradual para evitar que apresente quebras no futuro. Por fim, o vidro passa pela etapa de beneficiamento, em que diferentes tipos de técnica são aplicados para criar diferentes tipos de vidro.

Alguns resultados possíveis são vidros: 

  • temperado;
  • laminado;
  • insulado;
  • serigrafado;
  • esmaltado; 
  • impresso; 
  • autolimpante.
Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.