Seja o primeiro a compartilhar

Baba Yaga: a história da bruxa que come criancinhas

Você já ouviu falar da Baba Yaga? Saiba que ela é uma personagem muito conhecida do folclore eslavo e suas histórias são contadas para as criancinhas. No entanto, não há nada de fofinho nessas narrativas — na verdade, são contos bem assustadores.

Baba Yaga é uma bruxa que mora em uma casa que se eleva sobre pernas de galinha e é rodeada por uma cerca feita com crânios humanos. Uma de suas histórias conta que, certa vez, uma madrasta expulsou seus dois enteados de sua casa e, vagando pela floresta, as crianças acabaram chegando na casa da Baba Yaga, uma vovozinha bem estranha. Mas ao invés de acolhê-los, ela fez uma ameaça aos pequenos: eles deveriam satisfazer todos os seus desejos; caso contrário, ela os comeria no jantar.

Além de aterrorizante, Baba Yaga é muito feia: ela é ossuda, frágil e tem um nariz tão comprido que, quando ela se deita, ele bate no teto. Algumas lendas dizem que seus dentes são de ferro e que ela mora com três irmãs, igualmente malignas.

A tradição complexa da Baba Yaga

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Por mais que pareça difícil imaginar que histórias desse tipo sejam compartilhadas com crianças eslavas, a verdade é que a lenda da Baba Yaga é bem mais complexa (e interessante) do que se imagina inicialmente. Em algumas histórias, ela é uma espécie de fada madrinha que costuma ajudar os heróis.

Baba Yaga foi mencionada pela primeira vez em um livro de gramática russa de 1755. Acredita-se que, antes disso, suas histórias circulassem apenas pela oralidade, sendo espalhadas de geração em geração. "Baba Yaga", aliás, significa "vovó bruxa".

Uma de suas histórias mais conhecidas é o conto "Vasilisa, a Bela", em que ela liberta uma menina da tirania de sua madrasta e suas meias-irmãs (lembrando, claro, a história da Cinderela). Baba Yaga aparece ali como uma madrinha meio sinistra: ela dá tarefas impossíveis para a garota, mas também dá a ela uma boneca que passa a ajudá-la.

Mas a bruxa também surge como uma personagem que ensina sobre valores, como o da obediência. Na história Baba Yaga's Black Geese, Olga e Sergei, duas crianças bastante desobedientes que fogem de casa quando sua mãe vai ao mercado, embora ela tivesse recomendado que eles não saíssem enquanto os gansos estivessem voando no céu, Sergei é capturado por um destes gansos e levado para a casa de Baba Yaga, que irá jantá-lo. Entretanto, sua irmã Olga consegue usar magia para salvá-lo. Assim, eles finalmente aprendem a lição de nunca desobedecer a sua mãe.

Baba Yaga como representação do feminino

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

Por conta de suas características como alguém que vive fora da sociedade e obedece apenas suas próprias regras, ela passou a ser vista também como um símbolo do feminino intocado e, portanto, selvagem. Assim, Baba Yaga representaria a natureza das mulheres que, quando olhada pelos homens, tem sempre algo de ameaçador.

Ela seria, portanto, uma espécie de "anti-mulher" — pelo menos de acordo com os papéis que são socialmente esperados dela. Ao invés de casar e ter filhos, Baba Yaga vive isolada e come as crianças; ao invés de cultivar a beleza, ela é feia e não parece se importar com isso.

Por tudo isso, alguns estudos sobre a sua lenda a identificam como uma força da natureza, que pode ser gentil ou cruel, calmaria ou tempestade, de acordo com a época do ano.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.