Você viu as “coisas” esquisitas na imagem acima? Elas apareceram de repente em diversas praias da Côte d'Opale, uma região litorânea que fica no norte da França e, visualmente falando, as “coisas” se parecem com esponjas ou pedaços disformes de espuma ou isopor. No entanto, segundo Brigit Katz, do site Smithsonian.com, pessoas que se atreveram tocar esses estranhos flocos disseram que eles tinham consistência quebradiça e são oleosos ao toque.

“Coisas”

Os objetos começaram a aparecer durante a última semana e foram registrados em diversas praias, incluindo as de Wimereux La Slack, Equihen-Plage, Le Portel, Hardelot e Le Touquet, todas muito visitadas nessa época do ano, que corresponde ao verão europeu. Como ninguém sabia do que os tufos eram feitos, as autoridades francesas alertaram a todos que não tocassem as estranhas aparições até que amostras fossem devidamente analisadas.

Pediram para ninguém por a mão nessas coisas, mas... (Sea-Mer Association)

Contudo, como a Côte d'Opale se encontra às margens do Canal da Mancha — situado entre a França e a Inglaterra —, onde o tráfego de embarcações é bastante intenso, é óbvio que as suspeitas logo se voltaram à possibilidade de que as “coisas” poderiam consistir em algum tipo de material ou poluente liberado por algum navio que passou pela região.

A suspeita foi confirmada depois que testes revelaram que os objetos nada mais eram que pedaços de parafina. De acordo com Tia Ghose, do site Live Science, esse material é um derivado do petróleo que, além de ser usado na fabricação de uma grande variedade de produtos, como velas, cosméticos e gizes de cera, tem inúmeras propriedades, entre elas, lubrificante, isolante e anticorrosivo, por exemplo.

Mar de bolotas (Sea-Mer Association)

Ademais, é comum que o material seja liberado pelos escapamentos das embarcações, e os órgãos que controlam o tráfego marítimo no Canal da Mancha permitem que quantidades limitadas desse resíduo sejam eliminadas no mar — tanto que vira e mexe alguma dessas bolotas aparece em um lugar ou outro.

Entretanto, por conta do enorme volume de fragmentos que apareceram, as autoridades francesas suspeitam que algum espertinho decidiu ignorar as leis e se livrar de todo o material próximo à costa, emporcalhando as praias. Por sorte, o material não oferece riscos aos banhistas, nem à flora ou fauna da região. Contudo, se as regras continuarem sendo desrespeitadas e outras substâncias forem liberadas juntamente com a parafina, pode haver sim perigo de contaminação.