Pirulito salva mulher perdida no mar por mais de 37 horas

Pirulito salva mulher perdida no mar por mais de 37 horas

Último Vídeo

Uma neozelandesa foi encontrada perdida no mar a sudeste da Grécia. Kushila Stein, de 47 anos, sobreviveu mais de 37 horas apenas comendo pirulitos e utilizando sacolas plásticas para se aquecer, confirmou a mídia local. Encontrada próxima a Creta, ela viajava há três semanas enquanto ajudava um britânico a transportar um iate da Turquia para Atenas.

A aventura começou na sexta-feira à tarde, quando a moça deu uma pausa no transporte e remou até uma montanha próxima para escalá-la. Ainda ancorados na ilha de Folegandros, Stein avisou ao britânico Mike que estaria de volta em poucas horas. Porém, como a mulher não havia retornado até sábado de manhã, o colega de transporte rapidamente acionou as autoridades para iniciar as buscas pela desaparecida.

As condições climáticas, responsáveis por afastar o bote da neozelandesa, também atrapalharam as equipes de resgate que, mesmo com uma competente equipe de barcos e helicópteros da guarda costeira, não conseguiram concluir a busca em 12 horas. Dessa forma, decidiram dar uma pausa e iniciá-la no domingo, dia seguinte.

https://www.usatoday.com/story/news/world/2019/11/05/new-zealand-woman-stranded-sea-off-greece-survived-hard-candy/4163199002/
Local aproximado de encontro de Kushina, próximo a ilha Folegandros. (Fonte: maps4news.com/Divulgação)

"Ela foi treinada para sobrevivência no mar, então é bastante competente. Eu acredito que possa ter salvo sua vida", afirmou Wendy, mãe de Kushila, ao New Zealand Herald, momentos após descobrir sobre o desaparecimento da filha. E foi confiando nos instintos da filha que recebeu uma ligação, no domingo, revelando que a desaparecida finalmente foi encontrada. Um dos motivos foi que, durante sua expedição para longe da ilha de Folegandros, um dos remos do bote foi perdido e, dessa maneira, a embarcação ficou mais sensível a ser carregada pelas péssimas condições climáticas.

Após estar segura, Kushila revelou seus procedimentos para sobreviver quase 40 horas ao desesperador desaparecimento. Como o único alimento que tinha guardado eram pirulitos, a moça racionou-os enquanto utilizava sacolas plásticas para se esquentar durante a noite, colocando uma vermelha sob sua cabeça para facilitar um eventual encontro em alto mar. Apontando um espelho para o sol a fim de criar a reflexão e ser facilmente identificada, a mulher também pensou na possibilidade de não ser encontrada, anotando o nome e número da mãe na lateral do bote.

"Ainda tenho um pirulito sobrando, mãe", foi a primeira mensagem trocada entre Kushila e a mãe após seu primeiro contato pós-desaparecimento. Ambas encontram-se bem.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.