Brócolis e couve-flor podem ser benéficos para o fígado

Brócolis e couve-flor podem ser benéficos para o fígado

Último Vídeo

De acordo com uma pesquisa desenvolvida por cientistas do Texas A&M AgriLife Research, dos Estados Unidos, a ingestão de brócolis e couve-flor pode auxiliar na eliminação de gordura do fígado.

Isso porque esses dois vegetais citados, classificados como do tipo crucíferos, têm uma substância natural chamada indol. Esse composto pode ser usado no combate a uma doença hepática gordurosa não-alcóolica, também chamada de esteatose hepática. A propósito, essa doença ocorre quando o fígado fica "escrustado" de gordura por conta de uma alimentação repleta de gordura saturada. Se não tratada, pode evoluir para uma cirrose ou câncer.

O indol presente no brócolis e couve-flor

No estudo em questão, que foi publicado em uma revista científica chamada Hepatology, examinou-se as concentrações de indol em animais, pessoas e células individuais, a fim de determinar o seu efeito na inflamação hepática e o quanto e como ela pode ser benéfica para pessoas com esteatose hepática.

Foram analisadas cerca de 137 pessoas. Eles perceberam que quanto mais alto o IMC (Índice de Massa Corporal), mais baixos são os níveis de indol na corrente sanguínea. A baixa quantidade de indol também é observada em pessoas que possuem gordura no fígado.

Fonte: Pixabay

Para entender como essa substância influencia a saúde, os pesquisadores utilizaram os animais: uma parcela deles teve uma dieta rica em gordura e a outra comeram alimentos ricos em indo, como os já citados vegetais crucíferos. Nestes últimos, notou-se a redução da quantidade de gordura no fígado e seu respectivo nível de inflamação.

A importância da alimentação saudável

Sendo assim, os estudiosos concluíram que uma alimentação saudável com alto potencial de produção de indol são fundamentais para prevenir a esteatose hepática e para melhorar a saúde da pessoa como um todo.

Segundo Chaodong Wu, o principal autor da pesquisa, eles pretendem unir esforços com outros especialistas para descobrir quais outros compostos saudáveis podem modificar a flora intestinal e elevar a produção de indol.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.