(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia)

De acordo com o site wired.co.uk, um grupo de geneticistas das Universidades do Canadá e da Califórnia conseguiu a proeza de desenvolver mosquitos capazes de contar. Depois de 40 tentativas, durante as quais os mosquitos foram expostos a determinados estímulos, os cientistas fizeram com que os insetos apresentassem essa nova característica evolutiva.

Os pesquisadores submeteram grupos de drosófilas a uma espécie de aula — sem o uso de microcadernos ou carteiras — de 20 minutos, durante a qual os insetos recebiam estímulos focados no ensino de algumas habilidades numéricas básicas. E, depois de apenas 40 gerações de moscas, a espécie acabou evoluindo, passando a apresentar a inédita capacidade de contar.

Matemática evolutiva

Embora existam outras espécies de animais capazes de compreender estímulos numéricos — como os lêmures, salamandras e pintinhos —, essa é a primeira vez que uma criatura aprendeu a contar por meio da evolução genética. Os cientistas agora precisam entender quais foram as modificações pelas quais os cérebros desses insetos sofreram para apresentar a nova habilidade.

Segundo os geneticistas, mais do que criar insetos matemáticos, o estudo reforça a teoria de que a habilidade numérica seja uma característica evolutiva, além de ajudar a entender como a discalculia — uma disfunção neurológica semelhante à dislexia, que afeta a habilidade de um indivíduo entender e lidar com números — funciona.

Fonte: wired.co.uk