(Fonte da imagem: Reprodução/Scientific American)

De acordo com o site Scientific American, existe um tipo de bactéria — a Wolbachia — que infecta apenas os artrópodes e faz com que esses animais (que incluem os insetos) devorem as próprias cabeças e os genitais para se livrar das infecções.

Segundo a publicação, quando a Wolbachia infecta os insetos, os primeiros hospedeiros não parecem sofrer muitos efeitos, além de parar de produzir espécimes machos. Entretanto, os problemas começam quando esses animais transmitem o material genético infectado para as futuras gerações que, então, podem infectar outros animais, inclusive os da mesma linhagem.

Sistema imunológico suicida

O que acontece é que os organismos dos insetos que recebem o material genético infectado não sabem como reagir à doença e, como os artrópodes contam com um sistema imunológico — responsável por combater doenças e infecções — bastante primitivo, ele envia comandos para que os animais eliminem o que quer que esteja causando problemas.

Assim, como a bactéria costuma se instalar no cérebro e genitais dos insetos, esses são os focos de infecção que os animais tentam eliminar, embora possam causar inúmeros efeitos desagradáveis e, finalmente, a morte. E qual seria o melhor remédio? Que os organismos dos insetos conseguissem encontrar uma maneira de conviver com a bactéria antes de lançar um ataque autodestrutivo.

Fonte: Scientific American