(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia )

Imagine se você tivesse que passar o dia batendo com a cabeça em um tronco. No mínimo, acabaria com muitos galos, uma tremenda dor de cabeça e, provavelmente, algum dano cerebral sério. Então, como é que os pica-paus conseguem passar a vida toda martelando suas cabecinhas sem sofrer nenhum ferimento sequer?

Segundo uma notícia publicada pelo site io9, um grupo liderado pelo Prof. Fan Yubo da Universidade Beihang da China, apresentou um estudo que explica esse mistério. Os pesquisadores passaram três anos estudando a composição, microestrutura e propriedades mecânicas do crânio e bico dos pica-paus, descobrindo que a ave desenvolveu uma incrível estrutura craniana através de milhares de anos de evolução.

As imagens da esquerda (A e C) correspondem ao pica-pau, e as da direita (B e D), à cotovia. (Fonte da imagem: Reprodução/Prof. Fan Yubo)

Supercrânio

Depois de comparar os ossos do pica-pau com os das cotovias, os estudiosos observaram que, embora a força dos bicos dos dois pássaros seja semelhante, o crânio do pica-pau é muito mais forte. Isso se deve à presença de uma espécie de osso esponjoso mais achatado, o que torna essa estrutura muito resistente a deformações.

Além disso, a ave possui uma grande quantidade de trabéculas — minúsculos espaços presentes nos ossos recheados de medula —, que ajudam a distribuir melhor os impactos.

Entretanto, o estudo também pode ter aplicações práticas muito importantes. Os pesquisadores esperam que as descobertas possam servir de inspiração para o desenvolvimento de capacetes de proteção mais eficientes para humanos.