(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia)

De acordo com uma notícia publicada pelo site ars technica, um grupo de cientistas descobriu que um gênero de ratinhos africanos — o Acomys — é capaz de regenerar a própria pele, cartilagem, glândulas e, até mesmo, pelos sem apresentar qualquer tipo de cicatriz mais tarde, em uma característica jamais observada anteriormente em nenhum outro mamífero.

Aparentemente, assim como ocorre com alguns répteis, os ratos africanos amputam partes do próprio corpo como mecanismo de defesa para escapar de seus predadores, possuindo um tipo de pele bastante quebradiço que simplesmente se solta ao ser mordida, recuperando-se depois sem apresentar marcas.

Ratinho-lagartixa

Os pesquisadores comparam a incrível capacidade regenerativa desses animais à de algumas salamandras, lagartos e lagartixas, pois, apesar de alguns roedores serem capazes de reconstituir partes de suas caudas, nunca nenhum mamífero mostrou uma regeneração tão extensiva como a dos Acomys.

Segundo acreditam os cientistas, essa incrível habilidade provavelmente não seja um traço evolutivo, mas sim uma característica genética presente em todos os mamíferos que, por alguma razão, se encontra “adormecida”. O objetivo dos pesquisadores é descobrir como é que os ratinhos conseguiram despertar essa habilidade e, quem sabe, encontrar uma forma de induzir o corpo humano a se regenerar também.

Os cientistas esperam que, ao entender como o processo regenerativo dos ratinhos africanos funciona, eles possam desenvolver novos tratamentos que permitam tratar ferimentos de forma mais eficiente e, quem sabe, até criar terapias de regeneração de membros amputados para humanos.

Fontes: ars technica e nature