Cientistas treinam abelhas para encontrar minas terrestres
25
Compartilhamentos

Cientistas treinam abelhas para encontrar minas terrestres

As minas terrestres são potencialmente destrutivas e, de acordo com o The Guardian, de 1999 até 2008, 73.576 pessoas supostamente faleceram devido à detonação desses terríveis artefatos. Desse total, 18 mil mortes foram confirmadas, sendo que 71% das vítimas eram civis e 32% crianças, isso sem contar os feridos ou mutilados.

Portanto, descobrir os locais nos quais as minas terrestres se encontram escondidas é uma questão muito séria. Alguns esquadrões antibomba já empregam animais como ratos e cães para detectar esses artefatos, no entanto alguns deles são tão sensíveis que podem ser detonados com o peso dos bichinhos. Pensando em uma nova técnica para descobrir as minas, um grupo de cientistas croatas começou a “alistar” abelhas para esse importante trabalho.

Novo esquadrão

Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia

De acordo com uma notícia divulgada pela AP, os pesquisadores estão tirando proveito do incrível olfato das abelhas, treinando esses insetos para farejar as minas terrestres. Segundo os cientistas, as abelhas são capazes de detectar odores a 4,5 quilômetros de distância, e eles ensinaram as soldadinhas a encontrar as minas associando o cheiro de uma solução de açúcar ao de TNT, que é o explosivo mais utilizado na fabricação desses artefatos.

Depois de treinadas, as abelhas passam a associar o odor de comida ao de explosivos, e como são pequeninas e muito leves, podem voar de mina a mina sem provocar suas detonações. O estudo continua em andamento, pois, conforme explicaram os pesquisadores croatas, treinar uma abelha é relativamente fácil, mas fazer o mesmo com uma colônia inteira pode ser um problema.

No entanto, caso os cientistas realmente consigam treinar esses insetos, as abelhas poderão se tornar opções mais seguras e confiáveis para vasculhar campos minados e apontar os locais exatos nos quais esses terríveis artefatos estão escondidos.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.