(Fonte da imagem: Reprodução/The Atlantic)

O mundo é palco de incríveis concentrações humanas, como festivais de rock, peregrinações religiosas e festas populares. Entretanto, nada se compara ao Maha Kumbh Mela, a principal festividade hindu que ocorre a cada 12 anos na cidade de Allahabad, na Índia. As celebrações duram quase dois meses e encerram um ciclo de celebrações menores — os Kumbh Mela sem o “Maha” — que ocorrem a cada quatro anos em outras três cidades: Ujjain, Nasik e Haridwar.

A festa em Allahabad é considerada como a mais sagrada das quatro celebrações, e os hindus se dirigem a essa cidade para se banhar na confluência de três rios sagrados — o Ganges, o Saraswati e o Yamuna —, com o objetivo de “lavar” todos os seus pecados.

A maior reunião da história

(Fonte da imagem: Reprodução/The Atlantic)

De acordo com o site The Atlantic, embora versões anteriores já tenham atraído números assombrosos de pessoas, a celebração que ocorrerá este ano deve superar todos os recordes de público. Segundo as estimativas, 40 milhões de hindus atenderam ao último Maha Kumbh Mela, e este ano são esperados 100 milhões de peregrinos. Isso mesmo, 100 milhões de pessoas reunidas em um único lugar, convivendo em uma área de menos de 20 quilômetros quadrados.

Difícil de imaginar, não é mesmo? Então, pense em toda a população da cidade de Xangai — cerca de 23 milhões de pessoas — acampada em um terreno de 4 x 8 quilômetros. Depois, adicione a essa conta todos os habitantes da cidade de Nova York. Quer um exemplo mais próximo de casa? Imagine mais da metade da população total do Brasil concentrada em um espaço no qual a densidade demográfica será de 500 mil pessoas por quilômetro quadrado.

Megacidade

(Fonte da imagem: Reprodução/The Atlantic)

Agora, imagine a logística envolvida em uma festa dessa magnitude! Segundo o The Economist, estimativas apontaram que o festival deve arrecadar cerca de US$ 2,2 bilhões, além de gerar 600 mil empregos temporários. A Universidade de Harvard também está enviando equipes multidisciplinares para estudar este evento único, para avaliar como é feita a distribuição de alimentos e água, controle de epidemias, segurança etc. nesta “megacidade”.

De qualquer forma, não pense que o Brasil nunca foi palco de uma concentração de gente que entrou para a história! Segundo um gráfico elaborado pelo pessoal do The Economist, em 1994 não foram os carnavais do Rio de Janeiro nem os da Bahia que reuniram um público absurdo, mas o show do roqueiro Rod Stewart durante o Rock’n Rio, com 3,5 milhões de espectadores. Confira o gráfico completo (em inglês) na imagem abaixo:

(Fonte da imagem: Reprodução/The Economist)