(Fonte da imagem: Reprodução/JACS)

De acordo com uma notícia publicada pela Universidade Northwestern, dos Estados Unidos, um grupo de pesquisadores desenvolveu dois materiais sintéticos que apresentam a maior superfície já registrada até o momento, quebrando o recorde mundial.

Os dois materiais — chamados NU-109 e NU-100 — são compostos por uma nanoestrutura cristalina e, segundo explicaram os cientistas, sua característica mais promissora é a extraordinária superfície interna, que pode ser utilizada como local de armazenamento de gases emitidos por veículos e catalisadores, por exemplo.

Nanojaulas moleculares

Cada um dos nanocristais que formam os materiais conta com o tamanho aproximado de um grão de sal. Entretanto, esses grãos podem ser desdobrados, podendo cobrir uma superfície do tamanho de uma escrivaninha. Assim, para que você tenha uma ideia melhor do alcance desse novo material, um único grama seria suficiente para cobrir uma área de 7 mil metros quadrados.

Para conseguir acesso a uma área tão grande, os pesquisadores tiraram proveito da extrema porosidade do material, que normalmente não está disponível devido à presença de moléculas que ficam presas entre seus poros.

Assim, através de uma técnica que emprega o dióxido de carbono para dissolver as moléculas presentes nos poros, os cientistas conseguiram liberar toda essa superfície sem danificar o novo material, transformando seu interior em uma verdadeira “nanojaula molecular” capaz de armazenar inúmeros elementos químicos.

Fontes: Universidade Northwestern e Journal of the American Chemical Society