(Fonte da imagem: Thinkstock)

Você se lembra do cientista da NASA que está convencido de que todos nós, neste exato momento, podemos estar vivendo dentro de um jogo, bem ao estilo do filme “Matrix”? Pois, de acordo com o site technology review, um grupo de físicos da Universidade de Bonn, na Alemanha, desenvolveu um teste para descobrir se o nosso universo é uma simulação ou não.

Para determinar “a verdade”, os físicos se basearam na teoria da cromodinâmica quântica, que descreve a forma como os quarks e glúons interagem para dar origem aos prótons e nêutrons. Assim, os cientistas pretendem realizar simulações em uma espécie de gráfico tridimensional em uma escala minúscula — femtômetros — para descobrir qual é a quantidade de energia presente nessas partículas fundamentais que formam o nosso Universo.

Simulação do Universo

Os físicos acreditam que, ao simular o próprio Universo em um computador — ou pelo menos uma pequena parte dele — é possível determinar se ele se comporta de acordo com o descrito nas teorias ou se, pelo contrário, o Universo se comporta como se se tratasse de uma simulação criada em um computador.

Para verificar se existem discrepâncias, os físicos devem comparar os resultados das simulações com o limite de Greisen–Zatsepin–Kuzmin, que mede o limite da energia das partículas presentes nos raios cósmicos. E, caso as simulações apontem que existem diferenças, o teste apresentaria evidências de que todos estaríamos vivendo dentro de um jogo de computador.

Contudo, imagine que os robôs, deuses, Senhores do Universo ou o que quer que seja que criou a tal simulação de computador na qual estamos vivendo decidiram utilizar um modelo completamente diferente? O teste simplesmente não detectaria nenhuma discrepância. E, se você fosse um desses “deuses”, não tentaria criar um modelo que não pudesse ser detectado?

Fontes: arXiv.org e technology review