(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia )

Se você é fã de caranguejo, camarão e lagosta, provavelmente não vai gostar muito de saber que esses bichinhos sofrem quando são jogados vivos dentro de panelas com água fervente. De acordo com o Daily Mail, um grupo de pesquisadores da Queen’s University, de Belfast, na Irlanda, descobriu que os crustáceos sentem dor, apesar de não mostrarem reações de sofrimento antes de se transformarem em refeição.

Os pesquisadores realizaram experimentos com 90 caranguejos-verdes — espécie bastante comum na Europa —, que foram colocados em um aquário com dois abrigos escuros, que é o tipo de local no qual esses bichinhos normalmente se escondem. Metade dos crustáceos receberam leves choques elétricos ao entrar nos abrigos, saindo rapidamente do esconderijo, sendo então coletados e mergulhados em outro aquário.

Reflexo ou dor?

(Fonte da imagem: Reprodução/Daily Mail)

Depois de um tempo, os caranguejos foram colocados novamente no “tanque-tortura”, levando um novo choque ao tentar se esconder outra vez no abrigo. Entretanto, quando foram inseridos no aquário pela terceira vez, nenhum dos caranguejos que tinha levado os choques voltou a chegar perto dos esconderijos, o que os pesquisadores descreveram como uma reação à dor devido à lembrança de uma experiência desagradável, e não como uma simples resposta reflexa.

Segundo os pesquisadores, o reflexo defensivo ocorre de forma instantânea, enquanto o que foi observado durante o experimento demonstrou uma mudança no comportamento dos animais em longo prazo. E embora não seja possível comprovar que os crustáceos realmente sentem dor — afinal, ao contrário dos mamíferos, os pobrezinhos não podem gritar nem conseguem escapar dos cozinheiros —, os experimentos demonstraram respostas condizentes com a experiência dolorosa.