Arqueólogos encontram possível local do julgamento de Jesus Cristo
79
Compartilhamentos

Arqueólogos encontram possível local do julgamento de Jesus Cristo

Último Vídeo

Arqueólogos em Israel participavam de um plano para expandir a torre do David Museum que já durava 15 anos. Durante um processo de "retirada de camada" — algo que você entenderá melhor durante o texto —, foram encontrados destroços do palácio onde uma das cenas mais famosas do Novo Testamento provavelmente aconteceu: o julgamento de Jesus Cristo.

Para entender como isso foi feito, vamos comparar toda a construção do David Museum, na antiga cidade de Jerusalém, com uma cebola. Com camadas de chão, terra, pedras e cimento, qualquer modificação na estrutura necessita de uma retirada de camada. Quem ajuda nesse trabalho são os arqueólogos. Como o local foi palco de eventos bíblicos, pode conter objetos ou traços interessantes para a humanidade e as religiões.

Os estudiosos sabiam que o espaço era utilizado como prisão pelos Otomanos e, posteriormente, pelos britânicos. Segundo Amit Re'em, arqueólogo do distrito de Jerusalém, a prisão "é uma parte do antigo quebra-cabeça da cidade e mostra a sua história de maneira única e clara".

Possíveis provas

De acordo com a equipe envolvida, diversos itens empolgantes foram encontrados(ponto) Entre eles, estavam símbolos dentro de antigas celas feitos por judeus, tecidos tingidos da era das Cruzadas e fundações com um sistema de esgoto que provavelmente foi construído na época do Rei Herodes durante o império Romano.

Para cristãos, o local também tem um apelo especial porque foi parte da vida de seu messias, Jesus. Cerca de 1 milhão de fiéis vão até Israel para visitar Jerusalém a cada ano.

Atualmente, muitos cristãos peregrinam pelas Estações da Cruz (ou Via Dolorosa). Na crença popular, esse foi o local onde Pôncio Pilatos sentenciou Jesus à morte, além de ser onde ele foi crucificado e enterrado.

Como veredito final, o professor de arqueologia na Universidade da Carolina do Norte, Shimon Gibson, comenta: "Obviamente, não há uma inscrição declarando que tudo isso aconteceu aqui, mas todo o resto — arqueológico, histórico e religioso — encaixa e faz sentido". 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.