Conheça Sealand, o menor país do mundo [vídeo]
237
Compartilhamentos

Conheça Sealand, o menor país do mundo [vídeo]

Último Vídeo

Em seu livro Utopia (publicado em 1516), Thomas Morus elaborou uma séria crítica ao sistema feudal, assim como às injustiças sociais e fundou o termo utopia (do grego ohí = não; topos = lugar) para celebrar um território perfeito, sem defeitos, longe dos senhores do poder e da política corrupta.

Possivelmente inspirado em Morus, o inglês encrenqueiro Roy Bates também criou a sua própria utopia, não em forma de um livro, mas sim um território só dele. O cara teve uma ideia mirabolante e decidiu fundar um país — sim, é isso mesmo —, o ilustre Principado de Sealand. O lugar é conhecido por possuir apenas 22 habitantes e um território de apenas um quilômetro e meio, sendo considerado o menor país do mundo!

Lá não existe sequer um grão em terra firme, sendo nada mais do que uma antiga plataforma de concreto e aço que servia como base naval, erguida nas águas do sudeste da Inglaterra (51°53'40"N, 1°28'57"E, caso você queira conferir o local no Google Maps ou Earth), que foi abandonada logo após o término da Segunda Guerra Mundial.

Sealand já foi chamada de “Rough Towers”, atuando como uma base de defesa marítima contra ataques alemães, consistindo em duas grandes torres com capacidade para 200 soldados. Além disso, você só consegue chegar lá de helicóptero, porque as águas violentas não geram nenhuma segurança para as embarcações que tentam se aproximar de local. Confira um breve documentário sobre o local:

A história

Tudo começou quando Roy Bates, ex-infante da Marinha Real Britânica, levou a mulher e os filhos para conhecer o bizarro refúgio durante uma noite de Natal bem romântica e familiar em 1966. Aproximadamente seis meses depois, o antigo rádio amador pirata se autoproclamou príncipe de Sealand e, como ele não teve oposição, se tornou o Monarca absoluto do território.

Depois de instalado oficialmente na plataforma, o rei Roy resolveu fundar seu próprio país depois de descobrir que uma corte londrina não autorizou seu despejo do local, já que estava em águas internacionais, portanto, fora do alcance da legislação britânica. Mas ele foi além: consultou advogados e pintou o nome Sealand em uma placa de zinco ao lado da plataforma, oficializando seu país.

A monarquia Bates

Em meados de 1967, o Rei Roy elegeu sua mulher Joan como princesa oficial de Sealand, seus filhos (Michael e Penelope) como pequenos príncipes, e ainda apresentou a bandeira e o brasão definitivo de seu país, com o lema “E mare, libertas” (“do mar, a liberdade”).

Em 1975, ele resolveu escrever a Constituição de Sealand, mandou cunhar moedas, emitir selos e passaportes, garantindo de que seu território fosse reconhecido como uma nação legítima. Não contente, em 2005, Bates pediu à Rádio da Orquestra Sinfônica da Eslováquia para que criassem o hino nacional do lugar, que você pode ouvir logo abaixo:

Problemas diplomáticos

Em agosto de 1978, Alexander Achenbach, que comprou um passaporte de Sealand pelo correio e se auto-declarava primeiro-ministro da micronação, aproveitou que Bates estava na Inglaterra com a esposa e reuniu um grupo de mercenários alemães e holandeses, tomando de assalto a plataforma de Sealand. Nessa ocasião, o príncipe Michael ficou como refém e não podia fazer nada para evitar a invasão.

Bom, Roy Bates voltou ao seu país e misteriosamente desarmou todo o bando, condenando os caras a pagaram uma dívida de US$ 35 mil, fato que até hoje ninguém sabe explicar direito, o que levou muita gente a suspeitar de uma possível armação — atitude normal para muitos chefes de Estado mundo afora.

Os governos da Holanda e da Alemanha chegaram até pedir à Inglaterra a liberação dos invasores, mas os ingleses declararam não possuir qualquer tipo de poder sobre Sealand. Contudo, é claro que o final desta confusão acabou em pizza — para variar — e os caras foram soltos. Com isso, Achenbach e Gernot Pütz, que participaram da invasão, voltaram ao país de origem (Alemanha) como exilados, líderes do SRG (Governo Rebelde de Sealand).

Johannes Seiger — apontado por Achenbach como seu sucessor oficial no movimento — luta até hoje na web pelo reconhecimento do grupo invasor como legítimos donos do menor país do mundo.

Como está nos dias atuais?

Em 2006, infelizmente a plataforma pegou fogo, devido a um curto-circuito no velho gerador de energia, que era movido a óleo diesel. O problema foi resolvido, mas os problemas financeiros continuam a deteriorar o pequeno lugar, principalmente pela extravagância e falta de organização de seu dono, o ilustre rei Roy.

Após Bates ter de retornar à Inglaterra para se tratar do mal de Alzheimer, seu filho, príncipe Michael, assumiu o comando. Já em 2007, o Megaupload (famoso site que em que se encontrava muito conteúdo pirata) foi banido da Suécia e seu dono, Kim Dotcom, tentou comprar Sealand para abrigar seus servidores, mas a ideia não vingou.

Atualmente, uma séria negociação está em andamento para que o local vire a sede de um cassino, já que esse tipo de jogo é ilegal na Grã-Bretanha. Além disso, até hoje o território não é reconhecido oficialmente como um país pela Inglaterra ou Alemanha. Caso você queira, é possível acompanhar as novidades e notícias do país no próprio site oficial de Sealand.

Moeda oficial

Passaporte de Sealand

Selos de Sealand

Bandeira oficial

***

E você, leitor, conhece outras micronações espalhadas pelo globo terrestre? Não deixe de compartilhar sua informação com a gente nos comentários abaixo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.