Será que você é? Veja 10 características de uma pessoa introvertida
6.567
Compartilhamentos

Será que você é? Veja 10 características de uma pessoa introvertida

Último Vídeo

Quando falamos em pessoas introvertidas, acabamos associando essa denominação à ideia de uma pessoa tímida e recatada e, bem, eis aí um grande equívoco. Introvertidos correspondem a quase metade da população, então é bem provável que, ao ler este texto, você se identifique como introvertido ou, no mínimo, se lembre de alguém cuja personalidade se encaixe nas características a seguir.

De acordo com o psicólogo Brian Little, introvertidos e extrovertidos se diferem principalmente no que diz respeito à maneira como reagem às influências do ambiente onde estão. Quando algo estimula demais o sistema nervoso central dos introvertidos, o que acontece frequentemente, eles passam a se sentir exaustos e sobrecarregados, o que não tem nada a ver com timidez.

“Timidez tem a ver com o medo do julgamento social; introversão tem mais a ver com a forma como você responde a estímulos, incluindo estímulos sociais. Extrovertidos realmente requerem grandes quantidades de estímulos, enquanto os introvertidos se sentem muito mais vivos, mais ligados e mais capazes quando estão em ambientes mais quietos e moderados”, resumiu Susan Cain em sua palestra do TED Talk em 2012 sobre o tema.

De acordo com as definições do famoso psiquiatra Carl Jung, não se pode dizer que uma pessoa é 100% introvertida ou 100% extrovertida. Seres complexos que somos, temos traços desses dois espectros de personalidade e, por isso, é sempre bom conhecer melhor quais são as principais características que definem esses tipos de personalidade. Hoje, falaremos apenas do espectro introvertido. Confira mais detalhes sobre ele a seguir:

1 – Eles não curtem multidões

“Nós evoluímos de uma economia agrícola para um mundo de grandes negócios, e de repente as pessoas começaram a se mudar dos pequenos vilarejos para as cidades, e em vez de trabalhar ao lado de pessoas que elas conhecem de toda a vida, agora elas estão tendo que provar a si mesmas em meio a uma multidão de estranhos”, disse Cain em sua palestra.

Introvertidos não gostam de multidões, afinal multidões geralmente incluem muito barulho, dificuldade de locomoção e estímulos de todos os lados. Para quem é introvertido, estar em meio à multidão é o mesmo que sentir a energia vital indo pelo ralo. São indivíduos que preferem qualquer coisa a ficar em meio a um monte de pessoas.

2 – Não são bons em conversas superficiais

Extrovertidos conseguem conversar facilmente sobre a chuva que está chegando, sobre a novela nova ou sobre o congestionamento que fez na manhã de terça-feira em uma rua específica. Introvertidos sentem um tédio imenso quando se veem em meio a conversinhas desse tipo. Não quer dizer que se acham superiores, é apenas a forma como eles se sentem.

São ótimos ouvintes e adoram conversas profundas e filosóficas. Quer achar alguém para falar sobre a sua teoria a respeito do sentido da vida? Chama um introvertido que o papo está garantido.

3 – São ótimos comunicadores

Viu só? E você achando que introvertidos ficavam em casa, trancafiados em posição fetal. A verdade é que pelo menos metade das pessoas que trabalha com comunicação, inclusive com a oral, é naturalmente introvertida. Na verdade, muitas pessoas famosas e que frequentemente precisam falar em público, são introvertidas. Quer exemplos? Lá vai: Bill Gates, J.K. Rowling, Christina Aguilera, Emma Watson e Gandhi – só para citar alguns nomes.

4 – Se distraem facilmente

Se a ideia é distrair um introvertido, basta fazer com que ele se sinta superestimulado. Como são incrivelmente influenciados pelos ambientes que frequentam, introvertidos não raramente têm suas atenções interrompidas em lugares tumultuados ou com muita gente.

Para voltarem ao seu normal, precisam da paz e da tranquilidade de ambientes silenciosos, onde consigam ficar com seus pensamentos, focados em um novo livro durante horas, ouvindo música, pensando na vida e recarregando as energias. Ainda que a solidão seja vista por muitos como algo ruim, para o introvertido não apenas é uma coisa boa como extremamente necessária.

5 – Tendem a escolher profissões que exijam criatividade e solidão

Para os introvertidos, o trabalho que possibilite que cada tarefa seja realizada profundamente e que cada problema seja resolvido com a dedicação e a calma necessárias é, definitivamente, o trabalho ideal.

Profissões que envolvam escrita, ciências naturais e tecnologia costumam estar entre as mais escolhidas por esse tipo de pessoa. Por quê? Porque são áreas capazes de dar os estímulos que essas pessoas gostam sem a presença de um ambiente sobrecarregado de informações.

6 – Costumam ficar próximos à saída

Estar em ambientes lotados de pessoas é algo que faz com que os introvertidos se sintam fisicamente mal. Possivelmente sem que nem mesmo percebam, eles acabam se posicionando perto da porta de saída. Dessa forma, ficam mais calmos apenas pelo fato de que, se algo der muito errado, podem sair do ambiente rapidamente.

Essa mesma lógica se estende a outros ambientes, como aviões, teatros e afins – eles sempre escolhem os bancos que ficam ao corredor. O ideal, para eles, é nunca estar rodeados de pessoas.

7 – Não têm o hábito de falar sem pensar

Introvertidos são criaturas que dedicam muito tempo de suas vidas a pensar e raramente dizem alguma coisa sem analisar bem os impactos que isso teria. Esse tipo de comportamento é um dos que dá ao introvertido a fama de tímido, mas na verdade essa característica só quer dizer que, sim, eles falam, mas o que dizem é fruto de muita análise, não de impulsos momentâneos.

8 – Não “roubam” o humor do ambiente, como fazem os extrovertidos

Um estudo publicado em 2013 conseguiu comprovar que, diferente do que acontece com os extrovertidos, que ficam felizes em um ambiente de festa, por exemplo, os introvertidos não têm seu humor tão influenciado assim pelo lugar onde estão. É diferente da noção de que ambientes cheios os incomodam, que fique claro.

Para entender melhor essa questão, os cientistas estudaram as áreas cerebrais de recompensa de indivíduos extrovertidos e introvertidos e descobriram que essa região tem respostas diferentes em cada um dos tipos de personalidade. Enquanto os extrovertidos têm essa região ativada quando estão em um ambiente alegre, como um parque de diversões, os introvertidos não têm a mesma resposta cerebral. Pessoas naturalmente introvertidas não processam recompensas de fatores externos de maneira tão intensa como ocorre com os extrovertidos.

9 – Eles realmente não suportam falar ao telefone

Para o introvertido, uma ligação telefônica é interpretada como um alarme que o está forçando a tirar o foco do que quer que esteja fazendo para responder a alguma coisa inesperada. Além do mais, convenhamos, em conversas telefônicas há quase sempre aquele papo superficial que os introvertidos detestam. Para lidar com o problema, costumam deixar que o telefone toque e retornam a ligação quando se sentem mais bem preparados para isso.

10 – Simplesmente amam ficar sozinhos e precisam disso

Como já falamos, os introvertidos não são pessoas que se sentem bem em meio a estímulos incansáveis. Mais cedo ou mais tarde, tudo o que eles vão querer é ficar sozinhos.

“Imagine que cada um de nós tem um copo de energia disponível. Para os introvertidos, a maioria das interações sociais tira um golinho desse copo em vez de preencher o copo, como acontece com os extrovertidos. A maioria de nós gosta disso. Nós somos felizes em nos doar e amamos ver você. Quando o copo está vazio, no entanto, nós precisamos de algum tempo para enchê-lo de novo”, explicou brilhantemente Kate Bartolotta ao Huffington Post.

Por que saber de tudo isso?

Pessoas que têm um comportamento diferente dos demais geralmente são julgadas, vistas como malucas, excêntricas, “frescas” ou chatas mesmo. Eu, que me identifico com quase todos os itens acima, ouço cobranças diárias de alguns amigos, que não entendem, por exemplo, por que gosto de ficar sozinha ou por que fico quase seis meses sem pisar em uma pista de balada.

Há algum tempo o Diego Denck, que é redator do Mega e um dos meus melhores amigos, me mandou aquele vídeo do Porta dos Fundos, o “Excêntrico”, rindo horrores e dizendo que me viu naquele roteiro. Meu celular raramente sai do silencioso, e eu sou do tipo que desativa as notificações do WhatsApp. Ele, que me conhece há uns quase 20 anos, já entendeu que sou assim e não fica mais chateado comigo, mas algumas pessoas ainda não entendem, e isso é complicado.

Acredito que, quando a gente conhece um pouco aquilo que é diferente do que estamos acostumados a ver, a convivência fica melhor, os conflitos diminuem e a vida segue sem tanta energia direcionada ao que nem importa. Cada um tem a sua forma de ser, e conhecer essas formas é um jeito de conviver melhor com todo mundo.

*Publicado em 19/11/2015

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.