Quer ser desenhista de mangá? Então se liga na rotina absurda de um mangaká
1.614
Compartilhamentos

Quer ser desenhista de mangá? Então se liga na rotina absurda de um mangaká

Último Vídeo

Uma das categorias de entretenimento que atualmente mais aglomera fãs ao redor mundo é a de publicações de revistinhas em quadrinhos japonesas, que são especificamente chamadas de mangás. Esses desenhos são muito importantes, pois geralmente são deles que derivam as séries animadas de televisão — que por sua vez recebem o nome de “animes” (e que atingem um público tão grande ou maior ainda do que as revistas).

E vale salientar que muitos jovens são absolutamente apaixonados por essas histórias em preto e branco, publicadas em revistinhas (de tamanho menor do que o formato americano ao qual estamos acostumados), cuja leitura é feita do final convencional da edição para o início, e a ordem dos quadros de cada página também segue esse princípio contrário à “metodologia ocidental de leitura”.

Dessa forma, já que esses garotos e garotas desenvolvem um contato tão íntimo com esse assunto, nada mais natural do que vários deles começarem a nutrir uma vontade de se tornarem desenhistas dessas histórias. E essa profissão, muito comum no país do Sol Nascente, é conhecida como “mangaká”, que significa literalmente “aquele que desenha os mangás”.

Fonte da imagem: Reprodução/Animax

Mas será que o pessoal que pensa em assumir futuramente uma posição como essa tem alguma noção do tanto de tempo que é preciso investir na carreira para se tornar um profissional de sucesso no ramo? Sobre isso, o portal da revista Animax publicou um cronograma (traduzido do japonês) relatando a rotina diária de um dos mangakás mais famosos da atualidade: Hiroshi Shiibashi, o autor de Nurarihyon no Mago.

Diga adeus a tudo o que não for mangá

De acordo com a agenda acima, o senhor Shiibashi é obrigado contratualmente a entregar de 25 a 30 páginas semanais para sua editora, a fim de cumprir sua produção estipulada. Além disso, a cota mínima do desenhista também inclui eventualmente a confecção de algumas páginas coloridas e outras ilustrações avulsas.

Somando isso ao período em que o profissional (enquanto um ser humano) precisa se alimentar e ao período que ele precisa repousar (dormir), podemos contabilizar mais ou menos três horas semanais de tempo livre, para serem usufruídas, gastas e aproveitas de qualquer maneira que ele queira!

Fonte da imagem: Reprodução/MangasProject

É claro que isso é praticamente desumano e que em nosso país essa rotina de trabalho estaria beirando um regime de escravidão. Mas essa é a agenda real de um desenhista famoso, que recebe imensas quantias de dinheiro em troca de seu trabalho, mas que não dispõe de praticamente nenhum tempo para gastar nada — a não ser com remédios para dores nas costas ou possíveis futuras úlceras.

Escravos do sucesso

Se você ainda acha que está apto a submeter seu tempo, saúde e parte de sua sanidade para mudar de país e assumir a rotina de um mangaká, é preciso fazer um último alerta. Assim como no Brasil nós dispomos de um exército esmagadoramente grande de aspirantes a jogador profissional de futebol, o pessoal mais novo no Japão se volta para o ofício de desenhar mangas.

Em outras palavras, é praticamente impossível conseguir se infiltrar no meio oriental e assumir o posto de desenhista famoso no meio desse tipo de quadrinhos. Logicamente que existem exceções a todas as regras, o que praticamente garante que esse feito é hercúleo sim, porém não impossível.

Mesmo assim, é realmente assustador ver que o cara que vira mangaká só conta com três horas livres por semana durante o ano todo. Será que vale a pena?

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.