Embora o estrago causado pelo meteorito que recentemente caiu na Rússia tenha atraído os holofotes, não se trata da primeira vez que algo semelhante ameaçou a vida de um ser humano. Na verdade, caso você considere que grande parte dos feridos foi atingido apenas por estilhaços decorrentes dos choques da queda, pode-se considerar que se tratou de uma ameaça indireta. Bem, esse não foi o caso de Ann Hodges.

Em 1954, enquanto dormia em seu quarto, Hodges foi subitamente atingida por um projétil. Inicialmente, pensou-se que se tratava do pedaço da fuselagem de um avião — embora alguém tenha considerado até mesmo um ataque soviético à época. Entretanto, após um geólogo do governo ter sido enviado até a pequena Sylacauga, no estado do Alabama (EUA), constatou-se: Ann havia sido a primeira vítima de um meteorito registrada pela História.

Fonte da imagem: Reprodução/National Geographic

O caso foi realmente raro, conforme deixou claro o autor do livro “Falling Stars: A Guide to Meteor & Meteorites” (Estrelas Cadentes: Um Guia para Meteoros & Meteoritos, sem tradução para o português) em entrevista à National Geographic. “Você tem mais chance de ser atingido por um tornado e por um raio simultaneamente”.

A disputa legal

Passado o alarde após a queda do corpo celeste, o que assumiu o palco foi uma verdadeira disputa de “paternidade” pelo pedregulho. Ann e seu marido, Eugene Hodges, quiseram manter para si o souvenir.

Entretanto, como a casa era alugada, a proprietária, uma mulher chamada Birdie Guy, se interessou pela posse. De fato, Birdie conseguiu obter o fragmento legalmente — a contragosto da opinião pública, entretanto.

Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons

Só que Eugene estava realmente convencido de que o meteorito poderia ser vendido por uma alta soma. Dessa forma, o casal adquiriu o pedregulho pelo valor de US$ 500, a fim de leiloá-lo... O que acabou se mostrando uma escolha bastante infeliz. Ninguém se interessou em oferecer uma quantia apreciável, e os Hodges acabaram por doar o corpo celeste a um museu de história natural, em 1956 — onde se encontra até hoje.

O final da novela

Após o ocorrido, Ann acabou por sofrer uma crise nervosa e se divorciou de Eugene em 1954. Ela morreu em 1972, aos 52 anos, de insuficiência renal. O motivo? De acordo com o marido, Ann jamais conseguiu se recuperar totalmente do frenesi gerado pela queda do meteorito.

“Ann não era uma pessoa que buscava ser o centro das atenções”, disse o diretor do museu, Randy Mecredy, ao referido site. “Os Hodges eram pessoas simples, e eu realmente penso que toda aquela atenção trouxe a sua ruína.” Por fim, de uma forma ou de outra, Ann parece ter sido mesmo uma vítima fatal do malfadado meteorito.