Pesquisa revela que 'primo' do T–Rex teria vivido no Alasca
131
Compartilhamentos

Pesquisa revela que 'primo' do T–Rex teria vivido no Alasca

Último Vídeo

Um novo parente do Tiranossauro Rex foi descoberto. Ao que indica a pesquisa, essa espécie pode ter vivido na costa norte do Alasca há 70 milhões de anos e já foi nomeada como Nanuqsaurus hoglundi pela comunidade científica.

A descoberta foi revelada após a espécie ser identificada a partir de ossos do crânio fossilizado no Alasca. Os cientistas também estão o chamando de "lagarto urso polar” e dizem que o animal era um pouco mais alto do que um ser humano atual, tendo metade do tamanho de seu “primo” T-Rex.

Segundo o The Raw History, uma análise de vários ossos, dentes e do crânio foi descrita na revista PLOS ONE pelos pesquisadores Anthony Fiorillo e Ronald Tykoski, do Museu Perot da Natureza e Ciência, no Texas. Eles disseram que a espécie perambulava durante o período noturno de frio e neve, revelando que era provável que ele tivesse um forte senso de olfato e visão mais aguçada para caçar durante a noite.

"Para nós isso é uma coisa muito legal porque quer dizer que há algo sobre o ambiente ártico de 70 milhões de anos atrás, que selecionou para um tamanho corporal ideal um predador de sucesso”, disse Anthony Fiorillo.

Local dos fósseis

A área dentro do Círculo Polar Ártico, onde os ossos foram encontrados, não era tão fria há 70 milhões de anos e tinha, provavelmente, um clima parecido com os das modernas cidades de Seattle e Washington, nos Estados Unidos, ou Calgary, no Canadá.

Os pesquisadores afirmaram que os fragmentos do crânio do bicho foram encontrados em um buraco junto com outro dinossauro com chifres, que provavelmente o matou e tentou comê-lo.

No momento do registro, os pesquisadores conseguiram quatro pedaços de ossos, alguns dos quais foram cruciais para a pesquisa, porque eles mostravam o crescimento da cabeça de um adulto, em vez de um juvenil, permitindo aos cientistas estimar o tamanho total do crânio.

Desde então, mais fragmentos foram desenterrados. "Nós temos um quadro bastante completo do crânio agora. A beleza disso é que os sedimentos que preencheram os ossos preservaram a forma do cérebro e podemos ver que este animal também tinha um senso bem desenvolvido de olfato", explicou Fiorillo. 

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.