Ampliar (Fonte da imagem: Reprodução/The Washington Post )

Se você pudesse escolher um país — que oferecesse as melhores condições de vida — para nascer, que país seria esse? De acordo com o site The Washington Post, o pessoal do The Economist realizou um estudo que poderia ajudar você a fazer a escolha certa (no caso hipotético de que isso fosse possível, claro!).

Segundo a publicação, 80 países foram considerados no estudo e, para poder enumerar quais eram os melhores e os piores deles, os pesquisadores consideraram 11 variáveis. Entre elas, foram avaliadas informações como os índices de violência, oportunidades econômicas, modelo de saúde pública, liberdade política e expectativa de vida, assim como pesquisas de opinião pública realizadas pelas diversas nações. Os resultados revelaram diversas surpresas.

Uni, duni, tê!

Caso você tenha elegido os Estados Unidos ou a Alemanha como pátrias-mãe, saiba que esses dois países não ficaram nem entre os 15 primeiros, e o Brasil, coitado, apareceu quase no meio da lista, na colocação de número 37. A nação que ficou em primeiro lugar foi a Suíça, seguida pela Austrália, Noruega e Suécia. As surpresas ficaram por conta de alguns gigantes asiáticos, como Cingapura em sexto lugar e Hong Kong em décimo.

Os países super-ricos no Oriente Médio não se saíram nada bem na pesquisa, e os resultados apontaram que as melhores nações para se nascer hoje em dia são pequenas democracias liberais, pacíficas e homogêneas. Os piores lugares foram os que marcaram mais pontos com variáveis como violência, desigualdade, falta de liberdade e pobreza.

Contudo, apesar das surpresas, o mapa também revelou que ainda é melhor nascer no Ocidente, mesmo considerando aspectos como o conturbado cenário da crise econômica europeia e o vertiginoso crescimento econômico na Ásia. Confira o ranking completo (em inglês) na figura abaixo:

(Fonte da imagem: Reprodução/The Economist)