Seja o primeiro a compartilhar

Gabinetes de Curiosidades: conheça os salões privados que antecederam os museus modernos

Nos séculos XVI e XVII, uma expressão singular de paixão pelo conhecimento tomou forma na Europa: os gabinetes de curiosidades. Comerciantes, aristocratas e estudiosos criavam esses espaços repletos de itens curiosos e raros, indo além da lógica científica dos museus modernos.

Os gabinetes eram enciclopédias visuais que misturavam ciência, filosofia e imaginação. Nesses espaços, a coleção não se submetia a critérios estritamente científicos, mas era uma manifestação da fusão entre ciência, filosofia e, notavelmente, a imaginação. Cada objeto contava uma história única e contribuía para a atmosfera fascinante e eclética desses locais!

Quais objetos faziam parte das coleções?

Espécimes naturais expostos em um gabinete de curiosidades. (Fonte: Wikimedia Commons)Espécimes naturais expostos em um gabinete de curiosidades. (Fonte: Wikimedia Commons)

Também conhecidos como quarto das maravilhas, os gabinetes de curiosidades abrigavam uma ampla gama de objetos unidos pela singularidade e pelo "fator surpreendente". Eles eram verdadeiros ecossistemas de coleções, onde Naturalia e Artificialia coexistiam harmoniosamente.

A categoria Naturalia abraçava espécimes naturais, desde curiosidades botânicas até esqueletos de animais raros, proporcionando uma visão imersiva na riqueza da fauna e flora. Por outro lado, a Artificialia incluía antiguidades, obras de arte e até mesmo instrumentos científicos, refletindo a destreza criativa humana ao decorrer da história.

(Fonte: Wikimedia Commons)(Fonte: Wikimedia Commons)

No início, esses gabinetes ocupavam salas inteiras, imergindo visitantes em um universo de curiosidades. Com o tempo, no entanto, eles evoluíram para móveis distintos, explorando uma diversidade de designs que tornavam tangível a paixão por descobertas. Equipados com gavetas secretas e compartimentos ocultos, esses gabinetes desafiavam os visitantes a desvendar os segredos guardados entre suas prateleiras.

A experiência única proporcionada por esses designs não apenas alimentava a curiosidade, mas também despertava uma admiração contínua diante das surpresas e descobertas que aguardavam a cada puxar de gaveta.

Como os gabinetes influenciaram os museus modernos?

Wikimedia Commons(Fonte: Wikimedia Commons)

A criação dos museus modernos foi impulsionada por uma transformação essencial na ênfase e na acessibilidade do conhecimento. Instituições notáveis, como o Museu Britânico e o Museu Ashmolean, evoluíram organicamente a partir das coleções de gabinetes privados, representando uma mudança significativa na forma como os tesouros de conhecimento eram compartilhados.

Esses museus foram concebidos não apenas como locais de coleção, mas como espaços destinados a educar e encantar o público. A democratização do acesso ao conhecimento tornou-se o epicentro dessa transição.

Os museus modernos, ao herdar a diversidade e a curiosidade intrínsecas aos gabinetes de curiosidades, transformaram-se em instituições que buscavam servir como faróis de aprendizado para um público mais amplo. Essa transição não apenas alterou a disposição física dos objetos, mas também redefiniu o propósito fundamental desses espaços, posicionando-os como agentes cruciais na disseminação de conhecimento e apreciação cultural em uma escala mais acessível e democrática.

Você sabia que o Mega Curioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.