AmpliarEstrela Zeta Ophiuchi se locomove pelo espaço espalhando ondas de poeira (Fonte da imagem: Reprodução/NASA)

A imagem acima é muito bonita e, para apreciar melhor os detalhes, você pode clicar sobre ela (ou acessar o site da NASA) para observá-la em uma resolução maior. Entretanto, o que torna essa fotografia especial é a explicação científica que está por trás dessa cena incrível. Para começar, convém explicar que o ponto azul brilhante no centro da imagem é a estrela Zeta Ophiuchi e que ela se desloca pelo espaço a uma velocidade de 24 quilômetros por segundo.

Não pense você que ela é uma estrela pequena. A Zeta Ophiuchi é seis vezes mais quente, oito vezes maior, 20 vezes mais massiva e cerca de 80 mil vezes mais brilhante do que o nosso Sol. Apesar de estar a cerca de 370 anos-luz da Terra, essa seria uma das estrelas mais brilhantes do céu, não fosse o fato de ela acabar sendo tampada por nuvens de poeira cósmica.

Ondas de nuvens cósmicas

E por falar em poeira, isso é o que vemos na foto acima nas cores verde e rosa, graças à captura da luz infravermelha. O padrão se assemelha ao de ondas porque, ao se deslocar tão velozmente pelo espaço, as partículas que saem da estrela conseguem viajar mais rapidamente do que ela, criando um arco em choque e colidindo com partículas que estão presentes nas nuvens cósmicas, alterando suas estruturas. Esse efeito pode ser comparado com o das ondas criadas por um barco ao se deslocar em um rio.

Mais do que isso, a imagem impressiona também por outro motivo: os ventos estelares que lançam essas partículas colidem com grãos de poeira que estão a meio ano-luz de distância da Zeta Ophiuchi, o equivalente a 800 vezes a distância entre o Sol e Plutão.