Pigmento de 2 mil anos é capaz de perder terceira dimensão
90
Compartilhamentos

Pigmento de 2 mil anos é capaz de perder terceira dimensão

Último Vídeo

Você já deve ter visto imagens — ou teve a sorte de ter visto pessoalmente — os famosos Guerreiros de Xian, que são figuras que compõem um exército de aproximadamente 8 mil soldados em tamanho natural feitos de terracota. As esculturas foram descobertas na China na década de 70, enterradas juntamente com o primeiro imperador da China, Qin Shi Huang.

Os guerreiros — um diferente do outro — foram produzidos no final do século 3 a.C., e, na época em que foram descobertos, análises revelaram que todos haviam sido originalmente pintados. E um dos pigmentos encontrados, batizado de “roxo Han” ou “azul Han”, só pode ser recriado depois que os pesquisadores terminaram com seus exames químicos. Aliás, sua composição (silicato de bário e cobre) só foi determinada na década de 90.

Surpresinha

E não é que o tal pigmento ainda é capaz de surpreender os cientistas? De acordo com Esther Inglis-Arkell, do site io9, depois que a turminha da química terminou de “brincar” com o pigmento, foi a vez do pessoal da física se aventurar com a substância. Segundo Esther, em condições normais de temperatura, esse material atua como isolante e é desprovido de magnetismo.

Além disso, o silicato de bário e cobre conta com muitos elétrons, que “vibram” em diferentes direções. Contudo, os físicos descobriram que quando a temperatura é reduzida para algo em torno de – 270 e – 272 °C e se aplica um campo magnético equivalente a 800 mil vezes o campo magnético terrestre — bem, nós avisamos que era a vez do pessoal da física brincar! —, algo curioso acontece.

Conforme explicou Beth, nessas condições os elétrons parecem se fundir, vibrando em uma única direção e agindo como se fossem apenas um único elétron. E mais: quando os cientistas reduziram um pouco mais a temperatura, eles descobriram que o pigmento “perdia” uma de suas dimensões, passando a mostrar apenas duas dimensões em vez de três.

De tri a bidimensional

Como você sabe, vivemos em um mundo tridimensional, composto, basicamente, pelas direções cima-baixo, direita-esquerda e frente-atrás. Assim, segundo os físicos que conduziram os experimentos com o pigmento, imagine uma onda sonora, por exemplo. Ela se propaga pelo ambiente simultaneamente em três dimensões.

Estrutura do pigmento

Contudo, se removermos uma dessas dimensões, então ela passará a viajar pelo ambiente como as ondulações que vemos se formando sobre a água, deixando de se propagar perpendicularmente à superfície. E foi justamente isso o que os físicos observaram com o pigmento quando ele foi submetido às baixas temperaturas. A onda magnética que estava viajando através da substância passou a se propagar em apenas duas dimensões.

Os pesquisadores acreditam que esse fenômeno pode estar relacionado com a estrutura dos elementos químicos que compõem o pigmento. A estrutura lembra uma porção de ladrilhos empilhados em camadas, mas cada camada se encontra levemente desalinhada com relação à anterior, e essa organização talvez interfira na propagação da onda, forçando-a a viajar em duas dimensões.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.