Tamanho é documento? Conheça o restaurante dos pênis na Coreia do Sul
604
Compartilhamentos

Tamanho é documento? Conheça o restaurante dos pênis na Coreia do Sul

Último Vídeo

Não importa o quão feio ele seja, o fato é que o pênis persistiu ao longo da história humana como um símbolo de força, fertilidade e poder para diversas culturas do mundo todo. Da antiga Pompeia e dos hieróglifos egípcios até as roupas de indígenas modernos na Nova Guiné, imagens fálicas vêm sendo utilizadas sem muitas restrições. No entanto, poucos lugares vão tão direto ao ponto quanto o restaurante sul-coreano chamado Deulmusae.

Localizado em uma obscura estrada rural em Pocheon, a uma distância de uma hora e meia de carro a partir de Seul, o rústico estabelecimento é muito fácil de reconhecer mesmo que você não saiba ler coreano. Afinal, basta procurar por uma casa com um enorme forno em forma de pênis, com uma trilha ladeada por vários órgãos masculinos indo até lá – e, caso vá até lá de noite, não precisa se preocupar: os membros no caminho se acendem ao entardecer.

Yin e yang

Inaugurado em 1996, o Deulmusae não foi sempre um tributo ao órgão. Na verdade, o local era um restaurante absolutamente comum até o dia em que um monge budista o visitou e ressaltou que lá havia um excesso de energia feminina (também chamada de yin na cultura chinesa). Além disso, ele explicou que a forma vaginal do terreno só piorava a situação.

Após ponderar sobre as afirmações do monge, o dono do restaurante resolveu balancear a energia do ambiente por meio da incorporação de símbolos fálicos nos utensílios de cerâmica do estabelecimento. Não demorou muito para que os objetos curiosos começassem a atrair visitantes da região, especialmente os idosos. Pouco tempo depois, o lugar já estava coberto de símbolos.

Além das peças de cerâmica, que são fabricadas no próprio restaurante, obras em madeira e esculturas feitas por um artesão local criam um ambiente bastante natural – para não dizer indutor de rostos avermelhados e olhos arregalados. Por mais estranhos que possam parecer, os trabalhos são feitos com muito cuidado e realmente podem ser considerados artísticos – com algumas exceções, como a fonte anatomicamente bizarra da foto a seguir.

SeoulSearching

Deixando as partes de lado

Mesmo com todas as distrações, o Deulmusae continua sendo um restaurante e, como tal, oferece uma boa variedade de pratos para agradar a qualquer gosto. Um dos pratos principais de almoço, por exemplo, apresenta uma sopa de milho com um filé de peixe frito, um corte de carne suína e um bife de hambúrguer no estilo coreano, tudo acompanhado por uma colorida salada, arroz e café ou chá. E servido em um prato com um pênis ou vagina, é claro.

A lista de bebidas também é bastante extensa e o pátio do local oferece um bom ambiente para apreciar os tradicionais chás e coquetéis do restaurante. Os drinques gelados são servidos em canecas baseadas nos diferentes sexos, com as mulheres recebendo seus refrescos em copos com forma de pênis e os homens recebem os seus em canecas com vaginas – e é óbvio que os canudos ficam em locais estratégicos para fotos constrangedoras.

Após a refeição, os visitantes ainda podem adquirir uma grande variedade de lembrancinhas únicas. Os famosos utensílios artesanais de cerâmica fálica do Deulmusae podem ser comprados na forma de canecas, saleiros, chaveiros e muitos mais. É possível até levar para casa um sabonete com a cor, formato e tamanho real de um pênis – mas não se preocupe, pois o aroma é de flores.

Tamanho é documento?

Antes de ir embora, também é possível passar para conferir o mapa-múndi feito completamente de pintos e até tirar algumas fotos – os donos do restaurante encorajam o voyeurismo. Pocheon pode até ficar em uma região remota e está longe de ser uma das maiores cidades da Coreia do Sul, mas uma visita ao Deulmusae certamente é algo único. Afinal, o que importa não é o tamanho, mas sim a forma como tudo acontece.

Veja mais algumas fotos do restaurante na galeria acima.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.