Ovos Fabergé – os tesouros da família imperial russa

Ovos Fabergé – os tesouros da família imperial russa

Equipe MegaCurioso
Último Vídeo

Pingente Fabergé confeccionado em ouro 18 quilates cravejado com 314 diamantes.
Fonte: faberge.com

Os ovos Fabergé são um dos maiores símbolos da nobreza e riqueza da família imperial russa. Originalmente produzidos entre 1885 e 1917 para celebrar a Páscoa e homenagear os Czares, os ovos eram feitos com os melhores metais e pedras preciosas por Peter Carl Fabergé, que pelo seu talento e habilidade em criar miniaturas belíssimas, logo se tornou o joalheiro da família real.

Mas a Revolução Russa marcou o país com a pobreza e a destruição, e foi nesse períodos que os bolcheviques derrubaram a família imperial e tomaram as oficinas do joalheiro, impedindo que Fabergé continuasse a produzir suas joias. Noventa anos depois, em 2007, a família Fabergé, que se manteve exilada por muitos anos, anunciou sua reabertura e a retomada da produção das tão famosas peças que enobreceram os líderes russos e fizeram a fama da família.

A estreia da empresa – hoje dirigida por Sarah e Tatiana Fabergé, as bisnetas de Peter Carl Fabergé – foi marcada pelo lançamento de uma coleção de pingentes, que são réplicas em miniatura dos ovos originais, batizada de Les Favorites de Fabergé. Todos os pingentes seguem o padrão de qualidade das primeiras peças feitas pelo joalheiro, sendo confeccionadas com as melhores matérias-primas, como diamantes, rubis, safiras, ouro amarelo e ouro branco.

Das relíquias originais que foram produzidas entre os séculos XIX e XX, muitos ovos foram recuperados e são mantidos em museus e coleções particulares ou são leiloados ao redor do mundo. Para quem deseja apenas uma réplica das joias imperiais russas, a joalheria Fabergé tem filiais em Genebra (Suíça), Londres (Inglaterra) e Nova York (Estados Unidos). Para conferir a coleção dos novos ovos Fabergé, você pode acessar o site da joalheria ou conferir a galeria abaixo.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.