(Fonte da imagem: Reprodução/DailyMail)

Em julho de 1976, a sonda Viking I aterrissou em Marte buscando vestígios de vida, mas à época os cientistas disseram que nada havia sido encontrado. Contudo, mais de 30 anos depois os pesquisadores apontam que o experimento foi falho e que é possível afirmar com 99% de certeza que há vida no Planeta Vermelho.

Uma nova análise feita nas mesmas amostras, estudando a complexidade de cada uma delas, concluiu que as pesquisas iniciais estavam erradas. Segundo o novo estudo, a estrutura das evidências de vida microbiana sugere uma forte resposta biológica ou, em outras palavras, indícios de que há vida em solo marciano.

A reavaliação foi motivada pela descoberta de percloratos no local do pouso da sonda Phoenix, que aconteceu em março de 2008. “Com base no que fizemos até agora, diria que tenho 99% de certeza de que há vida em Marte”, afirmou Miller Josheph, da USC School of Medicine, em entrevista ao Daily Mail.