Serviço secreto britânico passou 50 anos investigando incidentes com OVNIs
96
Compartilhamentos

Serviço secreto britânico passou 50 anos investigando incidentes com OVNIs

Último Vídeo

Todo mundo sabe que o FBICIA e outras agências governamentais dos EUA dedicaram um bom tempo investigando supostos avistamentos de objetos voadores não identificados. Mas você sabia que o Ministério da Defesa do Reino Unido manteve um time que passou nada menos que cinco décadas apurando fatos sobre esses incidentes?

Testemunhos

De acordo com Sofia Petkar, do tabloide britânico The Sun, entre os anos de 1947 e 1997, o ministério manteve agentes do serviço secreto focados em investigar relatos e supostos testemunhos de avistamentos de OVNIs no Reino Unido. Segundo Sofia, os oficiais eram mandados a campo para averiguar se as denúncias procediam e o principal propósito era o de identificar possíveis tecnologias bélicas das quais não se tinha conhecimento.

OVNI sobre StonehengeSuposto OVNI sobre Stonehenge (The Guardian/The National Archives/PA)

Os relatórios produzidos pelos agentes secretos eram arquivados sob a sigla “UAP” — de Unidentified Aerial Phenomena ou Fenômenos Aéreos Não Identificados em tradução livre — e foram tornados públicos entre os anos de 2008 e 2013 para auxiliar os militares britânicos a na identificação de aeronaves ou armamentos desconhecidos e se movendo como OVNIs.

Vale lembrar que, na época, o mundo vivia em plena Guerra Fria e, portanto, além de descobrir se os terráqueos realmente estavam recebendo visitas de seres alienígenas, o time de agentes secretos tinha como missão investigar os supostos avistamentos e encontrar as explicações por trás deles.

Arquivo X da vida real

De acordo com Richard Norton-Taylor, do portal de notícias The Guardian, uma das principais preocupações dos britânicos era a de ganhar acesso a esses dispositivos, se possível, antes dos soviéticos ou chineses — caso os OVNIs não fossem de fabricação “Made in Terra”. E os agentes investigaram de verdade todo tipo de denúncia, incluindo a de um homem Cardiff, no País de Gales, que jurava ter sido abduzido, e de outro de Carlisle, cidade situada no norte da Inglaterra, que dizia morar com um alien. Pois é... Um verdadeiro “Arquivo X” da vida real.

Suposto avistamento de OVNISuposto avistamento em Blackpool, na Inglaterra (The Guardian/The National Archives/PA)

Segundo Richard, do ano 2000 até 2007, o Ministério de Defesa do Reino Unido recebeu e investigou por volta de 150 casos e, apesar de o governo ter sido acusado em inúmeras ocasiões de não dar ouvidos aos supostos testemunhos e de não levar os casos a sério, as informações divulgadas apontam que, na verdade, as autoridades mantiveram uma postura bem receptiva e mente aberta para lidar com o assunto.

Os agentes inclusive mantiveram uma espécie de “hotline” — isto é, uma linha dedicada especialmente em receber denúncias relacionadas com possíveis avistamentos de OVNIs — até 2009. Mas como nenhuma investigação conduzida ao longo dos anos identificou qualquer risco à segurança do Reino Unido nem revelou evidências de que o nosso planeta realmente recebia visitas de seres extraterrestres, o governo britânico achou por bem encerrar as atividades e focar o investimento em outras áreas.

Carta de criançaCarta de uma criança britânica dirigida ao Ministério de Defesa (The Guardian/The National Archives/PA)

Além disso, em algumas ocasiões, o governo descobriu indícios de que as testemunhas teriam sido incentivadas a relatar suas supostas experiências ao ministério e à imprensa — o que pode ser uma explicação para um maior interesse e envolvimento do público com relação aos testemunhos. Essa curiosa relação aponta que os avistamentos de OVNIs parecem ser, no fundo, um fenômeno social. E você, caro leitor, o que acha?

***

Você conhece a newsletter do Mega Curioso? Semanalmente, produzimos um conteúdo exclusivo para os amantes das maiores curiosidades e bizarrices deste mundão afora! Cadastre seu email e não perca mais essa forma de mantermos contato!

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.