O médico Carl Tanzler e sua obsessão por uma mulher morta

O médico Carl Tanzler e sua obsessão por uma mulher morta

Último Vídeo

A escritora Edna Ferber citou em uma das passagens de seu livro O Gigante: “Seja lá quem tenha dito que ‘o amor vence tudo’, foi um tolo. Porque quase tudo o amor vence – ou tenta”. Foi com esse aforismo de que algo realmente triunfante impedisse que o pior acontecesse que Carl Tanzler se apegou até os últimos segundos de sua vida, ou melhor, da vida de sua amada. Não foi o suficiente. Mas, por outro lado, a barreira da morte também não foi o suficiente para conformá-lo — na verdade ela foi a responsável por enlouquecê-lo de vez.

(Fonte: The Vintage News/Reprodução)

Tendo nascido em 8 de fevereiro de 1877 e crescido em Dresden, no Império Alemão, o médico radiologista alegou ter carregado por sua vida inteira a imagem de como seria o rosto da única mulher que ele amaria de verdade após sua antepassada, a Condessa Anna Constantia Von Cosel, tê-la lhe mostrado através de uma visão. Apesar de ter se casado com Doris Schafer por volta de 1920 e ter tido dois filhos, nada lhe fez esquecer ou superar essa “mulher dos sonhos”, e isso fez com que ele abandonasse a própria família para continuar procurando por esse rosto que lhe traria toda a felicidade que nunca conseguira alcançar.

É você minha amada

(Fonte: Al Joumhoria/Reprodução)

No entanto, numa terça-feira, 22 de abril de 1930, durante um de seus plantões no Marine-Hospital Service, na cidadezinha de Key West, Flórida, Carl acabou conhecendo a paciente Maria Elena Milagro de Hoyos. O choque dele foi instantâneo, pois quase não pôde acreditar que era o rosto daquela cubana-americana que ele esteve esperando por cerca de 35 anos.

Nascida em 31 de julho de 1909 naquela mesma cidade, aos 21 anos de idade, a beleza de Elena não passava despercebida por ninguém. Com cabelos escuros, olhar cintilante e uma timidez cativante, ela possuía uma atração que desafiava os homens, tanto que, entre tantos admiradores, acabou conhecendo e se casando com Luís Mesa aos 16 anos — uma vez que casamentos precoces eram comuns na comunidade —, mas a relação se desfez logo depois de seu primeiro aborto espontâneo.

Porém, infelizmente, nem toda a beleza do mundo impediu que a garota contraísse tuberculose — doença essa considerada incurável para a época. Carl, em contrapartida, estava determinado em salvar a vida de Elena através de qualquer meio possível, afinal, não poderia perdê-la depois de tantos anos de procura. Para isso, ele convenceu seus superiores que o permitissem realizar uma série de procedimentos experimentais nela. O tratamento consistia em administrar medicamentos especiais, como elixires caseiros, ervas e tônicos.

A devoção do médico foi tão além que ele chegou a roubar equipamentos caros do hospital, como uma máquina de raios X, para instalar na casa de Elena e poder ter um melhor monitoramento de seu estado clínico. Enquanto isso, Carl declarava seu amor eterno, entupia os braços da garota de presentes e a mimava de todas as formas que podia, ainda que ela não retribuísse nenhum dos sentimentos expressados pelo homem.

Contudo, nenhuma dedicação conseguiu parar a doença fatal e Elena de Hoyos morreu em 25 de outubro de 1931 devido a complicações causadas pela doença. Carl arcou com todas as despesas do funeral, inclusive a compra de um mausoléu cuja chave apenas ele possuía.

Para sempre Elena

(Fonte: KQED/Reprodução)

Inconformado, durante dois longos anos, Carl fez visitas noturnas diárias ao túmulo de sua eterna amada. Ele passava horas diante da câmara onde a mulher estava, às vezes chegava a ir madrugada adentro. Tudo porque, segundo ele mesmo, a voz de Elena o chamava do além-vida implorando que a libertasse de sua prisão de pedras e a levasse com ele. Por isso, a cada dia que se passava, o comportamento do médico começava a ficar pior no ambiente de trabalho, com episódios de histeria, surtos de agressividade com os pacientes, entre outros transtornos.

Não demorou muito para que ele fosse dispensado de suas funções no hospital. Isso foi o que Carl precisava para perder o controle de vez, se entregar à obsessão que já fazia parte de seus dias e que o corroera por dentro.

Desempregado, Carl se viu livre para ceder aos pedidos de sua falecida. Então, numa noite de abril de 1933, ele removeu o corpo de Elena do mausoléu, colocou numa carriola e o transportou para a sua casa, onde a situação se tornou ainda mais doentia.

Com um cabide, o médico estruturou o esqueleto e o reforçou com fios de metal. Substituiu os globos oculares por olhos de vidro. Quando a pele se decompôs inteira, ele a trocou por camadas de tecido de seda embebidos em cera e gesso. Fabricou uma peruca do próprio cabelo de Elena assim que esse apodreceu e descolou do crânio dela. Encheu o tórax do cadáver com trapos para manter a forma original. Vestiu-a com as roupas dela e a colocou em sua cama. Por cima de tudo isso, ainda, ele valeu-se de produtos químicos, desinfetantes e perfumes para aplacar o odor e retardar o processo de decomposição do corpo.

(Fonte: Phenomenal Place/Reprodução)

Durante sete anos, Carl teve relações sexuais diárias com o cadáver reconstruído, dançando, alimentando-o e tudo o mais que um casal faria. Ele chegou até a construiu uma espécie de foguete com a intenção de lançá-los para a estratosfera e “rejuvenescer” Elena nesse processo.

Descanse em paz

(Fonte: The 13th Floor/Reprodução)

O hábito de comprar roupas femininas, a interrupção das visitas ao cemitério e também o fato de ter sido visto por crianças passeando com uma "boneca" durante a madrugada acabou gerando fofocas pela cidade toda. Em 1940, então, a irmã de Elena o confrontou na casa dele e descobriu que a boneca, na verdade, era o cadáver apodrecido da mulher.

Carl Tanzler foi denunciado às autoridades e seu julgamento se tornou uma sensação pública, com pessoas pagando milhares de dólares para tocar na “boneca”. E apesar das acusações e provas, surpreendentemente, o júri e o público apoiaram o médico e o consideraram “um excêntrico romântico”. De qualquer forma, ele acabou sendo solto, pois os crimes já haviam prescrito.

O cadáver de Elena de Hoyos foi devidamente enterrado e ela pôde descansar em paz enquanto o médico louco recolheu-se para o anonimato e fez uma réplica de sua amada como substituta. Em 3 de julho de 1952 ele foi encontrado morto há três dias em sua casa, não sozinho, mas de braço dado com Elena, dessa vez verdadeiramente juntos.

Você sabia que o Megacurioso está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.